Tecnologia

Funcionário da Huawei é preso na Polônia acusado de espionagem

Autoridades polonesas prenderam dois indivíduos e os acusaram de realizar espionagem em nome do governo chinês, informou o canal de TV polonês TVP (via BBC). Um deles é o chinês que comanda as vendas da Huawei no país, segundo o The New York Times, enquanto o outro é polonês e funcionário da operadora de telecomunicações Orange Polska. A rede recentemente trabalhou com a Huawei para construir sua rede 5G de próxima geração.

As prisões ocorreram em meio a temores de que os equipamentos da Huawei pudessem ser usados para espionar o governo chinês quando usados para construir a infraestrutura de comunicações de um país. Os EUA, segundo relatos, consideraram proibir explicitamente o uso do equipamento da empresa de tais redes, e também pressionaram seus aliados a fazer o mesmo.

Vários aliados já fizeram isso. No Reino Unido, a operadora de telecomunicações BT tem uma política de não usar equipamentos Huawei no núcleo de sua rede desde 2006. Outros governos europeus, bem como a Nova Zelândia e a Austrália, também consideraram ou proibiram o uso do equipamento. Na quarta-feira, a Noruega disse que estava pensando em excluir a Huawei da infraestrutura 5G do país.

O New York Times informa que o governo polonês identificou o funcionário da Huawei como Weijing W, e a televisão polonesa disse que ele trabalhou para o consulado chinês em Danzigue, na Polônia, antes de se juntar à Huawei em 2011. Enquanto isso, o polonês foi identificado como Piotr. D., e foi contratado na agência de segurança interna da Polônia, a ABW, antes de deixar as acusações de corrupção. O vice-chefe dos serviços especiais da Polônia, Maciej Wasik, disse que Piotr tinha acesso a informações sobre os sistemas de comunicações internas seguros do país enquanto estava na ABW.

As autoridades polonesas revistaram as casas de ambos os homens, junto com os escritórios da Huawei, Orange, e a reguladora de telecomunicações polonesa, de acordo com a TVP. Se for considerado culpado, os dois homens podem ser condenados a penas de prisão de até 10 anos.

Em um comunicado, a Huawei disse que “está em conformidade com todas as leis e regulamentos aplicáveis nos países em que opera e exigimos que todos os funcionários cumpram as leis e regulamentos dos países onde estão baseados”. O Ministério das Relações Exteriores chinês disse que estava muito preocupado com as prisões. A Orange Polska confirmou que seus escritórios haviam sido revistados, mas não pôde dizer se a investigação estava ligada ao trabalho profissional de Piot D.


Editor

Felipe Mendes

Apaixonado por astronomia, tecnologia e jogos.


Outras notícias parecidas


Mais notícias sobre Empresas


Vivo lança parceria com a Netflix na TV paga

A Telefonica Brasil SA começou a integrar seu serviço de TV por assinatura com as plataformas de streaming da Netflix, …


O WhatsApp pode ser usado em breve com números fixos; Confira novos recursos em breve

WhatsApp Business, uma nova aplicação móvel que ajudará as empresas a se comunicarem com potenciais compradores.
A notícia sobre o seu …

Sobre o Autor

Paulo Carmino