Tecnologia

MacOs Catalina: uma atualização ou uma rasteira na confiança dos usuários?

Escrito por Paulo Carmino

MacOS Catalina: rompendo vínculos

Durante a apresentação do novo sistema da Apple para seus computadores, Tim Cook, CO da Apple, e a sua equipe deixaram bem claro que sempre dão suporte aos usuários, como os clientes utilizam os produtos da empresa. É por isso que trabalham todos os dias para proporcionar aos usuários as melhores experiências possíveis com os produtos e serviços da Apple. No entanto, recentemente a empresa de tecnologia lançou uma atualização para MacOS intitulada “Catalina”, a qual está sendo vista como um rompimento do vínculo de confiança para muitos usuários.

MacOS Catalina
Foto: Marcio Jose Sanchez – As mulheres tiram fotos em frente a uma grande foto exibida de um computador MacBook em uma sala de demonstração após o anúncio de novos produtos na sede da Apple

Muitas mudanças foram bem vindas com o lançamento do MacOS Catalina para o MAc em si, isso porque trouxe a renovação no gerenciamento de músicas com três novos aplicativos de mídia que também gerenciam vídeos e podcasts na plataforma. Além disso, também permite que os dispositivos com iOS seja utilizados como telas secundárias. Permite, também, que o usuário execute os aplicativos mais recentes do iPad no desktop da Apple.

Não podemos tirar a razão da Apple em relação ao fato de ela querer avançar no mercado com esses planos. Ela está correta em acomodar o que se tem de mais novo no mundo dos serviços online, além da mudança dos atuais padrões tecnológicos de uso. No entanto, a Apple está certa em apenas focar no novo e deixar os serviços antigos — que já eram utilizados por milhares de usuários — sem suporte?

Remover para ‘atualizar’

A atualização fez com que a Apple removesse o iTunes para a emergência de aplicativos como o Apple Music, Apple TV e Apple Podcasts. Isso porque a empresa de tecnologia também removeu os principais elementos do código utilizado para desenvolver os aplicativos de suas plataformas, tornado os apps mais antigos inutilizáveis.

MacOS Catalina
Foto: Marcio Jose Sanchez – O CEO da Apple, Tim Cook, à direita, observa os computadores MacBook mostrados em uma sala de demonstração após o anúncio de novos produtos na sede da Apple

Mesmo que ainda exista uma API para fazer com que os apps continuem rodando na plataforma, os desenvolvedores estão correndo para atualizar seus produtos e, assim, não serem descontinuados. Ainda há aqueles que estão analisando se vale mesmo a pena de continuar desenvolvendo para o MacOs.

Podemos dizer que um dos maiores problemas dessa atualização é a remoção do suporte aos programas com base em 32 bits, visto que esses programas representam uma grande fatia do portfólio de apps do MacOS. Assim, muitos desses aplicativos ainda estão em desenvolvimento e outros já até foram recodificados para 64 bits. No entanto, outros mudaram, foram descontinuados ou mesmo mudaram o modelo de negócio que seguiam. Isso tudo deixa os desenvolvedores sem perspectivas, pois estamos tratando de um ambiente de incertezas.

Quer um exemplo?

Vejamos a questão do Overdrive, um dos mais populares sistemas digitais de empréstimos para livros eletrônicos e áudios muito utilizados em bibliotecas. Este, por exemplo, não possui uma versão do app para 64 bits e, consequentemente, será descontinuado. Além disso, o MacOS disse que não dará suporte à Catalina. Confira:

Devido às próximas mudanças no macOS e para simplificar a experiência do usuário, o OverDrive logo encerrará o suporte ao OverDrive para Mac. 
A partir de 4 de setembro de 2019, o OverDrive for Mac não estará mais disponível para download e os usuários do Mac não verão mais a opção de baixar títulos de audiolivros no site do OverDrive.

Assim, mesmo existindo a possibilidade de ouvir os livros disponíveis na plataforma, o usuário não poderá lê-los.

Com essas decisões a Apple apresenta o seu novo OS, este visto como uma quebra de confiança com o usuário que agora não poderá mais utilizar diversos produtos e serviços que estavam disponíveis em 32 bits — que agora não receberão mais suporte pelo MacOS.

Sobre o Autor

Paulo Carmino