Cidadania

Universidade em Brasília é exemplo de redução, reúso e reciclagem de lixo

A instituição busca seguir as normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos, conscientizando alunos e funcionários.

O Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) é exemplo de instituição de ensino superior que segue as normas da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Dentro do campus, diversas medidas foram tomadas para redução, reutilização e reciclagem dos resíduos gerados dentro da universidade.

Somente no ano de 2013, 35 toneladas de lixo foram recicladas pela instituição. O principal objetivo dessa comissão é melhorar sua atuação nos aspectos e impactos ambientais, visto que a universidade gera uma grande demanda de lixo. Por se tratar de uma instituição de ensino, a alta demanda por papel passou a ser o principal foco da coleta seletiva dentro do campus, buscando primeiramente conscientizar alunos, professores e funcionários de que cada um é responsável pelo lixo que gera.

“O UniCEUB assumiu o compromisso de desenvolver continuamente os seus processos internos que levem a uma melhoria da qualidade ambiental em seu campus”, é o que afirma Carlos Alberto da Cruz Júnior, presidente da Comissão de Gestão Ambiental da universidade.

É importante ressaltar que nem todo tipo de papel é passível de ser reciclado. Papel higiênico e guardanapos sujos, por exemplo, não podem ser misturados com papéis A4 e de rascunho, pois não são adequados para o processo de transformação do papel em matéria-prima. Porém, estes resíduos devem ser direcionados ao processo de compostagem, que consiste na decomposição biológica por organismos orgânicos, transformando o material em adubo. Dentro do campus, as lixeiras para a coleta de papel são divididas especialmente para não acontecer esta mistura.

Em todo o campus, lixeiras devidamente identificadas com cores e símbolos definidos pelo CONAMA são dispostas em locais estratégicos, além de outras iniciativas que reduzem a produção de resíduos, como secadores de mãos no lugar de papéis toalha, mictórios que não utilizam água, piso de concreto intertravado e “papa bitucas”, locais reservados para o depósito de bitucas de cigarro.

A cada trimestre, cerca de 10 toneladas de resíduos coletados dentro do campus são encaminhados para empresas regularmente cadastradas dentro do órgão ambiental competente. “Costumo dizer que essas empresas não reciclam, mas fazem a coleta de recicláveis, que são resíduos passíveis de serem reciclados. As grandes recicladoras não estão no Distrito Federal”, ressalta Carlos. Em um depósito coberto, 15 categorias de resíduos sólidos são selecionados para receber o tratamento adequado para serem reaproveitadas.

Atualmente, a instituição adota dez nascentes em todo o Distrito Federal, colaborando na gestão ambiental e impedindo a diminuição e contaminação das águas que abastecem os reservatórios. Outra parceria de sucesso é com a Associação Mãos que Criam, situada na Estrutural e composta por mulheres de baixa renda que buscam capacitação empresarial por meio do reaproveitamento de materiais recicláveis. As lonas utilizadas em murais, outdoors e banners são encaminhadas para as costureiras e transformadas em ecobags, gerando emprego para quem precisa e produzindo um produto que pode ser usado em várias ocasiões.


Crédito das imagens: Rômulo Juracy