PET

A baleia cachalote, rainha do abismo

Escrito por Escobar Dog

O tamanho de seu cérebro excede o de qualquer outra criatura neste planeta. É um animal capaz de descer a quase 1.000 metros (1 km) de profundidade e prender a respiração por até 90 minutos. Sem dúvida, o cachalote é uma das criaturas mais fascinantes das profundezas do oceano.

Características dos cachalotes

O cachalote, cientificamente chamado Physeter macrocephalus, é um mamífero pertencente à ordem dos cetáceos. Dentro desta ordem, são as maiores criaturas: um macho adulto pode atingir 20,5 metros e pesar 57 toneladas.

Ao nascer, a baleia cachalote mede quatro metros e pesa uma tonelada. O único predador dessa criatura imponente é a orca, cujos ataques geralmente são fatais.

O cachalote é facilmente reconhecível pela sua cor acinzentada e sua enorme cabeça. Seu tamanho gigantesco é devido ao fato de que, no seu interior, o crânio desses cetáceos esconde um fluido de função desconhecida, chamado espermacete. Em virtude da cor e da consistência, em um primeiro momento acreditou-se que era esperma, embora ainda não se conheça a função desse fluido.

Uma das teorias mais aceitas se refere à capacidade de flutuação do cetáceo. Graças à sua consistência, as baixas temperaturas solidificam o líquido, que pode pesar até 40 kg.

Desta forma, é mais fácil se alimentar a quase 1.000 metros de profundidade e, graças à poderosa capacidade de seus quatro estômagos, o cachalote é capaz de comer lulas gigantes vivas.

Comportamento

É comum que os cachalotes se movam em grupos de cerca de 15 ou 20 indivíduos. As fêmeas são acompanhadas por sua prole e são mais sedentárias, enquanto os machos migram de grupos em grupos. Quanto à reprodução desses mamíferos, o período de gestação varia de entre 14 e 16 meses e a mãe pode continuar amamentando por até três anos.

As fêmeas praticam uma criação comunitária em águas tropicais ou subtropicais. Os machos, por outro lado, geralmente migram para latitudes mais altas com outros espécimes; e eles também se movem sozinhos. O cachalote geralmente é encontrado em áreas de águas profundas e abundante biodiversidade.

Quando a estação de acasalamento chega, os machos se movem em direção ao equador para se reproduziremOs cachalotes, portanto, passam a maior parte de suas vidas em dois grupos diferentes: em uma espécie de viveiro, que as fêmeas improvisam com suas crias, e em ‘grupos de solteiros’ que os machos formam, dedicados a migrar para caçar e se reproduzir. 

Um senso particular de orientação

Os fascinantes hábitos dos cachalotes incluem um forte sistema de ondas sonoras. Estes cetáceos emitem “cliques”, que usam tanto para se comunicar quanto para ecolocalização. Isso ocorre porque as emissões dessas “trilhas sonoras” na água são refletidas por outros corpos e estruturas, permitindo que se conheça a topografia do local.

Recordando o espermacete acima mencionado, este fluido viscoso permite que eles dirijam e projetem as ondas produzidasTambém acredita-se que essas ondas também possam desempenhar um papel importante em seus hábitos de caça, uma vez que as altas frequências em que são emitidas podem servir para atordoar suas presas.

O cachalote na cultura popular

Durante os séculos 18 e 19, o cachalote foi o pilar da indústria baleeira pelo valor de seu óleo e do chamado âmbar cinzento, uma secreção inflamável e cerosa.

Os intestinos do animal segregam-no para facilitar o trânsito de alimentos difíceis de digerir, como as lulas. No passado, esta substância foi utilizada como um fixador na perfumaria, embora hoje em dia seja substituída por compostos sintéticos.

Apesar da famigerada caça à baleia, não é considerada uma espécie em extinção. No entanto, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) a considera vulnerável.

O cachalote também tem um lugar na literatura: lembre-se do mítico albino Moby-Dick. Na obra de Herman Melville, um baleeiro passa seus dias perseguindo o cachalote que rasgou sua perna, preso a uma obsessão doentia.

Aparentemente, o famoso espécime albino existia sob o nome de Mocha Dick e morava na ilha de Mocha, no Chile. As lutas ferozes entre este cachalote agressivo e seus caçadores foram registradas em uma publicação de Nova York. Em 1851, Herman Melville imortalizou a figura de Moby Dick e a do fascinante cachalote.


Notícias sobre Pets

Sobre o Autor

Escobar Dog