PET

Todos os detalhes sobre a acondroplasia canina

Quando um cão tem pernas muito curtas, tanto que pode ser dito que ele apresenta nanismo, é muito provável que estejamos diante de um caso de acondroplasia canina. 

É uma condição que é herdada e que pode afetar mais ou menos seriamente os animais que sofrem com isso. Aqui contaremos tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

Raças predispostas a sofrer esse distúrbio

Esta é uma forma de osteocondrodisplasia causada por uma anormalidade do gene do receptor do fator de crescimento dos fibroblastos. Mas o que isso quer dizer?

Que os ossos do animal, não importando seu sexo, não crescem até o tamanho esperado.

Existem algumas raças que são bastante procuradas justamente por essa característica: os membros curtos.

E é um assunto que certamente requer um debate profundo, mas que extrapola o tema deste artigo. Por exemplo, é uma condição que é procurada em:

No entanto, existem outros animais afetados pela acondroplasia canina de uma forma indesejada ou não procurada. É o caso das seguintes raças:

  • Pastor alemão
  • Boston terrier
  • Spaniel japonês ou chin
  • Terrier escocês
  • Pointer Inglês
  • Shih-tzu
  • Cocker spaniel
  • Beagle
  • Buldogue Inglês e Francês
  • Malamute do Alasca
  • Pequinês
  • Lhasa apso
  • Shar pei

Quando um cão tem membros muito curtos, é provável que sofra de acondroplasia canina. Esta condição, embora seja procurada em algumas raças, em outras pode gerar problemas de diferentes gravidades. Em qualquer caso, um diagnóstico preciso é necessário para determinar o tratamento adequado para cada animal.

Sintomas e doenças associadas

Além das pernas curtas e desproporcionais, cães com acondroplasia canina se caracterizam por terem:

  • Cabeça alongada e maior que o normal
  • Crescimento ósseo anormal e deformidades esqueléticas
  • Dentes tortos
  • Mandíbula curta
  • Fraco crescimento e desenvolvimento físico
  • Coluna subdesenvolvida
  • Extremidades arqueadas, especialmente as da frente

Além disso, esse distúrbio geralmente está associado a outras doenças. Entre elas:

  • Surdez
  • Fenda palatina
  • Doença cardíaca
  • Convulsões
  • Artrite (conforme o animal envelhece)

Como a acondroplasia canina é diagnosticada

Se você suspeitar que um cão tem acondroplasia, o veterinário deverá realizar um exame físico completo para descartar outras causas do problema.

basset hound: cão com pernas curtas

Deve incluir testes de laboratório. Por exemplo: hemograma, perfil bioquímico e exames de urina. Também é importante ter radiografias das extremidades afetadas e da coluna vertebral.

Tratamentos para cães com nanismo

O prognóstico de cada espécime dependerá da gravidade com que a acondroplasia se manifesta.

Para alguns cães pode ser incapacitante, mas muitos, felizmente, conseguem levar uma vida longa e saudável sem ter que passar por qualquer tratamento.

Outros animais precisarão receber anti-inflamatórios para aliviar a pressão ou a dor que sentem. Em casos mais extremos deverão recorrer à cirurgia. E é mais do que provável que a expectativa de vida seja encurtada.

Outra questão a considerar em um caso de acondroplasia canina é que o cão não se torne obeso.

O veterinário vai saber qual é a dieta mais adequada para evitar o excesso de peso, o que complicaria ainda mais seu quadro.

Além disso, se você quiser que seu cão cruze e tenha filhotes, é bom realizar previamente uma avaliação genética para saber se está tudo bem.

O mesmo vale para pais, avós e irmãos do animal em questão.


Notícias sobre Pets