Tecnologia

Pesquisadores britânicos usam urina para carregar celulares

Até agora, xixi pode abastecer os celulares por pouco tempo, suficiente para fazer ligações rápidas, enviar mensagens de texto ou compartilhar conteúdo nas redes sociais.

Cientistas britânicos descobriram que é possível utilizar a urina como fonte de energia para carregar a bateria dos celulares. Até agora, a equipe gerou eletricidade suficiente para abastecer os aparelhos por alguns minutos – permitindo que os usuários façam rápidas ligações, enviem mensagens de texto ou naveguem na internet e nas redes sociais por pouco tempo.

A descoberta dos pesquisadores da University of the West of England em parceria com a Universidade de Bristol vai permitir que os celulares sejam carregados por meio da energia microbiana. Durante os testes, a equipe utilizou um celular Samsung para comprovar a eficiência.

De acordo com um artigo científico publicado pela revista da Real Academia de Química, o objetivo é desenvolver a tecnologia para recarregar totalmente um celular.  "A beleza disso tudo é que não estamos nos apoiando na natureza errática do vento ou do sol: a urina é uma fonte sem fim", entusiasmou-se Loannis Leropoulos, especialista em eletricidade microbiana.

Para recarregar as baterias, o método de geração de energia precisa da degradação da matéria orgânica – no caso, da urina, – que estimula os microorganismos a produzirem atividades que geram eletricidade. Por meio do sistema orgânico, vai ser possível desenvolver combustíveis de baixo custo ou até gratuitos, como o xixi.

Agora, os cientistas britânicos utilizam a urina para carregar celulares, mas esta não é a primeira vez que os dejetos são reaproveitados em métodos de geração de energia limpa: no carnaval carioca deste ano, o trio elétrico do Afroreggae usou o xixi dos foliões para garantir que o som durasse mais tempo. Além disso, há um projeto implantado em algumas cidades do Reino Unido que aproveita o cocô dos cachorros para produzir energia elétrica gratuita à população.

Redação CicloVivo