Geek

Indonésios inventam dispositivo para ajudar viciados em internet

Escrito por Paulo Carmino

Desde a navegação nas redes sociais até a exibição de vídeos e o bate-papo com amigos, a estudante indonésia Tyas Sisianindita passa cerca de oito horas por dia em seu telefone.

“Eu
percebo que sou viciada”, admitiu a estudante universitária,
dizendo que verifica o telefone continuamente desde o momento em que
acorda, mesmo quando está nas aulas. “À noite, quando não
consigo dormir, posso usar meu telefone por até cinco horas.”

Um grupo de colegas da Universidade da Indonésia, liderado pelo inventor Irfan Budi Satria, passou três meses desenvolvendo um dispositivo vestível que pode ajudar usuários da internet como Sisianindita a reduzir o tempo que passam usando seus telefones.

Chamado “Nettox”, de “desintoxicação da internet”, o dispositivo é usado no pulso e contém um sensor oxímetro de pulso que mede os níveis de oxigênio da hemoglobina e a variabilidade da frequência cardíaca (VFC).

Indonésios inventam dispositivo para ajudar viciados em internet Nettox1

Dispositivo alerta o usuário

Estudos descobriram que o uso prolongado de telefones celulares tem um efeito específico de redução nos níveis de VFC. O dispositivo Nettox emite um som quando os níveis de VFC e oxigênio no sangue caem dentro desse intervalo, o que lembra ao usuário para parar de usar o telefone.

Para
pessoas com idades entre 18 e 25 anos, a VFC deve permanecer acima de
60, de acordo com a American Psychological Association, disse Satria.
Em um estudo recente, a leitura da VFC de Sisianindita foi de 44.

A
equipe de Satria está trabalhando para personalizar o Nettox e
melhorar sua precisão, pois as leituras de VFC podem variar
dependendo da forma do corpo, do sexo e das condições de saúde de
uma pessoa.

Eles
pretendem solicitar uma patente para sua invenção na universidade
até o próximo ano. Satria diz, no entanto, que o Nettox é
direcionado para aqueles que já investiram na mudança de
comportamento.

“Nosso
objetivo é ajudar os preocupados com a saúde”, disse ele. “Para
ajudar as pessoas que querem se libertar do vício em internet.”

Sobre o Autor

Paulo Carmino