Tecnologia

Coronavírus pode derrubar mercado de dispositivos móveis em 14% na América Latina

Escrito por Paulo Carmino

América Latina, 16 de março de 2020 – Em um cenário o mais próximo possível da produção global de produtos de tecnologia, o coronavírus pode levar a América Latina a uma queda entre 5% e 10% nas vendas de dispositivos móveis, avalia Ricardo Mendoza, analista para a América Latina da IDC, principal empresa de tecnologia da informação inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências para o setor.

Os embarques e a produção de smartphones e de componentes como sensores de impressão digital, touch pad e até memórias têm diminuído em até 50% globalmente, devido às medidas estabelecidas pelo governo chinês para conter o covid-19. “Embora alguns fornecedores não tenham suas fábricas em zonas de quarentena, eles também são afetados pela falta de insumos, incluindo em países como Vietnã, Índia e Coreia do Sul, que já enfrentam problemas com falta de componentes”, diz o analista.

Na América Latina, o Brasil deve ser um dos países mais afetados, basicamente pela baixa produção de componentes, especialmente para celulares e computadores. Algumas empresas já operam parcialmente ou estão agendando paralisações.

No caso do México, como todos os produtos comercializados
no país são montados na China – quase 100% dos smartphones – ou em produção
combinada com a Coreia do Sul, Índia ou Vietnã, haverá atrasos nos
embarques. 

Mas, como os fornecedores ainda têm algum estoque e há
carregamentos a caminho, nenhum impacto é esperado. Contudo, se a China
continuar reduzindo sua produção os futuros trimestres podem ser afetados,
afirma o analista da IDC.

“No geral, ainda é difícil fazer previsões. Esperamos uma contração em todos os cenários que discutimos para a região.  Em uma situação realista, a América Latina pode estar em declínio de 5% até o final do ano; embora prevista uma recuperação do mercado para o segundo semestre do ano”, alerta Mendoza.

No pior dos cenários, a pandemia não será contida, a produção de componentes continuará baixa e a queda do mercado poderá ficar entre 15% e 20%. Já no cenário positivo, com a rápida contenção da doença, a IDC projeta um crescimento entre 0 e -2%.

País queda entre 2019 vs 2018 (unidades)
Argentina -14,3%
Brasil 8,8%
Chile -14,4%
Colômbia 0,1%
México 2,7%
Total -1,6%

Segundo a IDC, algumas ações para enfrentar a pandemia,
diminuir a propagação do covid-19 e continuar a operação estão sendo tomadas,
como o aumento das vendas online e maior cooperação entre as cadeias de
suprimentos, principalmente para a compra e entrega de componentes.

No entanto, Ricardo Mendoza reconhece que, no caso dos smartphones, as vendas na região já estavam em declínio, tanto pelo aumento do ticket médio como pela falta de novos consumidores. “Praticamente só há renovação de aparelhos, com especificações mais sofisticadas e, logicamente, preços mais elevados, maior oferta de modelos, e um ambiente complexo derivado da grande concentração de algumas marcas”, explica o analista da IDC.

Em termos de unidades, as vendas na América Latina diminuíram 1,6% em 2019, em relação a 2018, sendo que as economias mais afetadas foram do Chile, com queda de 14,4% e Argentina, com 14,3%, por conta de complicações em seu ambiente eleitoral, político e social.

Os números totais da região foram compensados pelo
crescimento de mercados maiores, como o Brasil, com um aumento de oito pontos
percentuais, e o México, com 2,7%; enquanto a Colômbia permaneceu estável, com
crescimento de 0,1%, no mesmo período.

Sobre o Autor

Paulo Carmino