Negócios

Conheça os 10 carros mais difíceis de consertar em 2016

Escrito por Vinnícius Lopes

Antes de comprar um carro, sempre é necessário pesquisar sobre a marca, manutenção, desgastes, entre outros pontos, para evitar prejuízos e o veículo acabar saindo ainda mais caro.

Visando ajudar o consmidor na escolha de um carro, o Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) analisou a relação entre custo e facilidade de reparo de 33 carros ao longo dos últimos doze meses.

No ano passado, entre os dez modelos com a pior relação entre custo e facilidade de conserto, seis são fabricados pela Fiat. No entanto, o veículo que foi mais difícil e caro para consertar no período, o C4 Lounge, pertence a outra montadora, a Citroën. O estudo foi feito segundo solicitação das próprias montadoras e é repetido mensalmente, com veículos fabricados no Brasil, Mercosul e importados. Não entram na pesquisa os modelos fora de linha de produção, esportivos fora-de-série, picapes e utilitários com peso superior a 2,300 kg.

Para elaborar o índice de reparabilidade, o Cesvi testa os modelos de acordo com uma batida leve, que corresponde a 75% das ocorrências registradas nas grandes cidades.

O indicador varia de 10 a 60 e,  quanto maior a nota, mais difícil e caro é o conserto do carro.

e vice-versa. Após um ano, os veículos que mantiveram as piores médias passam a compor o ranking.

Confira os modelos que receberam as piores notas em 2016, segundo o Cesvi:

1º) Citroën C4 Lounge

Citroen C4 Solaris

Citroen C4 (Divulgação)

Categoria: Sedã médio

Índice: 52

2º) Fiat Novo Palio

Novo Fiat Palio com câmbio Dualogic Plus, lançado em 2013

Novo Fiat Palio (Divulgação)

Categoria: Hatch compacto

Índice: 49

3º) Peugeot 308

20º lugar: Peugeot 308

Peugeot 308 (Divulgação/Assessoria de imprensa da Peugeot)

Categoria: Hatch médio

Índice: 48

4º) Fiat Linea

7. Fiat Linea HLX 1.8

Fiat Linea (Divulgação)

Categoria: Sedã médio

Índice: 46

5º) Fiat Bravo

Novo hatch Fiat Bravo 2014, versão Sporting

Novo hatch Fiat Bravo (Divulgação)

Categoria: Hatch médio

Índice: 44

6º) Fiat Palio Fire

8 - Palio

Palio (Divulgação/Sala de imprensa Fiat)

Categoria: Hatch compacto

Índice: 44

7º) Fiat Grand Siena

Fiat Grand Siena 1.6 16V

Fiat Grand Siena 1.6 16V (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Categoria: Sedã compacto

Índice: 43

8°) Fiat Novo Uno

novouno2

Categoria: Hatch compacto

Índice: 41

9º) Ford Ecosport

Ford EcoSport Titanium

Ford EcoSport (Divulgação/Ford)

Categoria: utilitário esportivo

Índice: 40

10º) Peugeot 408

Peugeot 408 automático 2014

Peugeot 408 (Divulgação/Sala de Imprensa Peugeot)

Categoria: Sedã médio

Índice: 40

Os modelos analisados pelo Cesvi foram: Volkswagen UP!, Volkswagen Cross UP!, Volkswagen Novo Fox, Citroën Novo C3 Hatch, Toyota Etios Sedan, Volkswagen Spacefox, Volkswagen Novo Gol, Toyota Etios Hatch, Peugeot 208, Chery New QQ, Chery Novo Celer, Volkswagen Nova Saveiro cabine simples, Volkswagen Nova Saveiro cabine dupla, Chery Novo Celer Sedan, Volkswagen Voyage, Chevrolet Onix, Chevrolet Prisma, Renault Sandero, Peugeot 2008, Ford New Fiesta, Citroën C3 Picasso, Suzuki Jimny, Nissan Novo Sentra, Peugeot 408, Ford Ecosport, Fiat Novo Uno, Fiat Grand Siena, Fiat Palio Fire, Fiat Bravo, Fiat Linea, Peugeot 308, Fiat Novo Palio e Citroën C4 Lounge.

Metodologia

Os veículos de uma mesma categoria passam por testes de impacto em baixa velocidade (15 km/h), nos quais há colisão da dianteira esquerda e da traseira direita.

Depois da batida, o carro é levado a uma oficina, onde são analisados os danos, o tempo e o custo do reparo, além dos preços das peças que terão de ser substituídas.

O conserto do impacto dianteiro tem 60% de peso no índice, enquanto a batida traseira representa 25%. O custo de uma cesta com 15 peças que costumam ser mais danificadas e o valor da mão de obra equivalem a 15% do cálculo.

Share Button

Sobre o Autor

Vinnícius Lopes