Mobilidade

BH deve ter 40 pontos de compartilhamento de bikes até setembro

Os projetos têm o intuito de oferecer à população uma nova oportunidade em termos de mobilidade urbana.

A capital mineira está prestes a receber novas estações de compartilhamento de bicicletas. O BikeBH teve início em junho deste ano e até o momento registra quase seis mil viagens feitas e mais de nove mil moradores cadastrados. Assim como acontece em outras cidades brasileiras, o projeto é fruto de uma parceria entre a prefeitura e o banco Itaú.

Até o final de agosto, Belo Horizonte deve ter mais 15 pontos de empréstimo de bicicletas. Em setembro o número deve chegar a 40 e, conforme planejamento municipal, 400 bikes estarão disponíveis para a serem alugadas pela população.

Na capital mineira, o aluguel custa, diariamente, R$ 3. Mas, é possível que o cadastrado pague um plano mensal de R$ 9 ou anual, por R$ 60. Após feito o cadastro, o usuário já pode começar a usar. O funcionamento é simples. Basta ir até uma das estações, escolher uma bicicleta e ligar na central de atendimento, que faz a liberação da bike. A pedalada pode durar até 60 minutos e a devolução pode ser realizada em outro ponto.

As bicicletas são planejadas para uso urbano. O quadro é prático para usar no trânsito e ela vem equipada com uma cestinha, para que o usuário possa guardar seus pertencer. Os projetos, como o BikeBH, têm sido instalados com o intuito de oferecer à população uma nova oportunidade em termos de mobilidade urbana, uma alternativa eficiente e sustentável para a locomoção.

A novidade também fez acender na população o desejo por melhorias. Em declaração ao jornal Estado de Minas, o engenheiro mecânico Walmor Barros de Camargos, comemorou a iniciativa e principalmente o baixo custo do sistema, mas lembrou que a cidade ainda precisa de mais infraestrutura. “O relevo de BH é que dificulta e a cidade ainda tem poucas ciclovias, de maneira que o uso aqui ainda tem limitações”, finalizou.

Clique aqui para mais detalhes e cadastro.

Redação CicloVivo