Decoração & Design

Arquiteto israelense projeta ilha sustentável em Istambul

O arquiteto Dror Benshetrit projetou uma ilha artificial e sustentável em Istambul, Turquia. O projeto mescla espaços residenciais, comerciais e de lazer. Além disso, deve ser capaz de abrigar até 300 mil pessoas.

O primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdoğan planeja construir um canal entre o Mar Negro e o Mar de Mármara. No entanto, a proposta resultaria em escavações e uma quantidade enorme de resíduos produzidos. A solução para isso veio do projeto arquitetônico de Dror Benshetrit, em transformar o material residual em uma ilha artificial sustentável.

A proposta surge como uma saída eficiente e inovadora para solucionar mais de um problema. Os desafios não são apenas reutilizar a terra retirada pela abertura do canal, mas também reduzir os impactos ambientais aos quais Istambul está exposta.

Em declaração ao site Co.Design, Bershetrit explicou que a capital turca é um lugar muito bonito, mas que assim como outras grandes cidades tem sofrido com a alta densidade demográfica, que ocasionam congestionamentos e aumentam a poluição.

A proposta do primeiro-ministro consiste em abrir um canal para transformá-lo em uma grande hidrovia, com previsão de conclusão para 2023. Aproveitando-se desta ideia, o arquiteto, juntamente com uma equipe formada por arquitetos, urbanistas e engenheiros, pretende construir o HavvAda.

O projeto tem a aparência de grandes colinas habitadas. Para chegar ao modelo, o principal intuito era desenvolver uma estrutura que aliviasse as frustrações dos moradores de uma grande cidade. Portanto, cada um dos moradores deverá ser capaz de se locomover por qualquer ponto em até 12 minutos. O arquiteto pensou em seis “cúpulas”, interligadas entre si e com a opção de teleféricos para facilitarem o deslocamento entre os centros.

A HavvAda deve oferecer apartamentos residenciais, centros comerciais e espaços externos para o lazer. Esta é uma forma alternativa para os grandes prédios. O formato semelhante a uma colina oferece uma paisagem mais branda, se comparado aos grandes edifícios. Ainda assim, o complexo deve ser capaz de abrigar até 300 mil pessoas. Bershetrit explica que esta é uma proposta para uma cidade do futuro, mas que é apenas um conceito inicial, que deve ser adaptado e melhorado durante o caminho. Com informações do Co.Design.

Redação CicloVivo