Mobilidade

7 desculpas que as pessoas usam para não ir de bike ao trabalho

Aqui estão algumas soluções para esses ‘problemas’.

Usar a bicicleta como meio de transporte diário é uma alternativa muito eficiente para a mobilidade urbana e para a saúde. No entanto, algumas pessoas ainda esbarram em preconceitos e medos. O CicloVivo preparou uma lista com algumas das desculpas mais comuns por quem não usa a bicicleta na cidade e apresentamos soluções para esses “problemas”. 

1. Não dá para andar de bicicleta de roupa social

Muitas pessoas que trabalham em escritórios precisam vestir trajes sociais no dia-a-dia. Essa é um desculpa bastante usada para que as pessoas optem pelo carro ao invés da bike. No entanto, existem alternativas eficientes para este percalço no caminho. A primeira opção é pedalar com uma roupa confortável e levar a roupa do trabalho na bolsa. A segunda alternativa é ideal para quem lava os trajes sociais em empresas especializadas. Neste caso, basta recorrer a uma lavanderia próxima ao trabalho e retirar as peças diariamente.

Para provar que a roupa não é empecilho, existe um movimento mundial, conhecido como CycleChic, que incentiva as pessoas a andarem de bicicleta com as mesmas roupas usadas para as atividades cotidianas. Esse é um conceito já aplicado por muitos ciclistas urbanos em todo o mundo. Veja aqui exemplos em São Paulo e Curitiba. Algumas marcas já se especializaram em desenvolver peças sociais específicas para ciclistas, como é o caso da Velô (clique aqui para mais detalhes). 


Foto: Amsterdamized/Flickr

2. O clima não colabora

Pedalar no frio é ruim? O sol atrapalha e faz o ciclista suar muito no percurso? E o vento, então? Cada cidade tem o seu clima e, realmente, nem sempre, ele é perfeito para pedalar. Mas, independente do frio ou do calor, a vida continua e existem muitas alternativas para deixar as viagens de bicicleta mais agradáveis.

No calor, use roupas leves e que evitem a absorção do suor. Já no inverno, use e abuse dos gorros, luvas, cachecóis e, principalmente, do casaco corta-vento. Se o problema for a chuva, sempre existe a capa de chuva e as bolsas impermeáveis. O Brasil possui um clima muito mais ameno do que o comum em grandes cidades europeias, como Amsterdã e Copenhague, onde as pessoas usam a bicicleta para ir ao trabalho seja embaixo de chuva, sol ou neve. Veja um exemplo no vídeo abaixo:

3. Não tem chuveiro no trabalho

Nem todas as empresas disponibilizam vestiários aos seus funcionários. Mas, este não é o fim do mundo, mas significa que alguns cuidados podem ser tomados para facilitar a vida e evitar um odor indesejado. Assim, opte por roupas leves no trajeto e sempre saia cedo, para que não seja necessário fazer um esforço extra no caminho. Ao chegar no trabalho, troque de roupa e, se preciso, use lenços umedecidos para higienizar as partes mais críticas, caso seja necessário. Quem costuma treinar em academias, também pode se matricular em uma unidade próxima ao trabalho e aproveitar os vestiários para tomar um banho antes de começar a jornada do dia.

4. Eu não tenho bicicleta

Muitas cidades brasileiras têm investido em sistemas de compartilhamento gratuito de bicicletas. Informe-se sobre a estrutura disponível em seu município e considere a possibilidade de usar o sistema para a mobilidade diária. Esta á uma boa sugestão para quem está começando agora e não quer investir em uma bicicleta até que tenha certeza de que ela realmente será usada.

A Mobicidade é uma empresa especializada neste tipo de serviço, que disponibiliza bicicletas para empréstimos em diversos municípios do Brasil. Clique aqui e descubra se existem centrais de compartilhamento em sua cidade.


Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

5. Eu moro longe demais

Essa é outra desculpa muito comum e, realmente, existem pessoas que moram muito longe de seus trabalhos. Mas, existem soluções para isso. Não é necessário percorrer todo o trajeto de bike. Para quem está nesta situação, o ideal é mesclá-la com outros meios de transporte, sejam as opções coletivas ou uma carona. Muitos terminais de ônibus e metrô já disponibilizam bicicletários, para garantir que os usuários tenham locais apropriados para guardar suas bicicletas durante o dia. Se você não confia em deixar as bikes nesses locais, o ideal é ter uma bicicleta dobrável, que pode ser carregada até mesmo dentro do ônibus.


Foto: Grace Oda/Flickr

6. O trânsito é muito perigoso

De fato, pedalar em grandes avenidas ou ruas muito movimentadas pode ser um desafio. Portanto, antes de sair de bike, pegue um mapa da região e faça uma análise das rotas alternativas e pesquise a existência de ciclovias. Como incentivo à bicicleta como meio de transporte, muitas cidades brasileiras têm trabalhado em informativos que disponibilizem mapas com ciclorrotas aos ciclistas. Também existem aplicativos que ajudam o ciclista a encontrar o seu melhor caminho. Veja aqui o exemplo do Bicidade.

Quanto mais ciclistas estiverem nas ruas, mais os motoristas vão entender que o espaço é de todos e pode ser compartilhado com eficiência e segurança.


Foto: Mayra Rosa/CicloVivo

7. O local onde eu trabalho não tem bicicletário

Uma das vantagens da bicicleta em relação aos carros é a facilidade em “estacioná-la” em quase todos os lugares. Uma grade, poste ou simples sinalização podem servir muito bem, desde que tenha em mãos uma boa trava, de preferência no modelo U Lock. Além disso, fazer amizade com porteiros ou comerciantes pode ajudar a encontrar um local seguro para deixar a bike no horário de trabalho. A segunda opção é ter uma bike dobrável, que pode ser guardada até mesmo embaixo da mesa do escritório.


Foto: Claudio Olivares Medina/Flickr

Redação CicloVivo