Geek

5 erros que sacrificaram o setor mobile da Microsoft

Escrito por Paulo Carmino

Já sabemos que não é de hoje que a Microsoft aposta no mercado móvel. O atrelo da companhia com o desenvolvimento de aplicativos e ferramentas para o mercado mobile não passa despercebido, tendo como exemplo, a suíte de aplicativos Office até mesmo seu próprio sistema operacional, o Windows 10 Mobile.

Apesar do grande esforço para crescer na área, algumas ações trouxeram um certo efeito reverso no desenvolvimento do seu sistema para smartphones. Confira a seguir, cinco falhas da Microsoft que desencadearam consequências de grande impacto em sua participação no mercado de smartphones.

1 – O Windows Phone chegou às pressas

A Microsoft já tinha apostado no mercado mobile antes mesmo dos sistemas operacionais que conhecemos hoje. Os aparelhos celulares com o Windows Mobile tinha como ideia uma central multimídia que realizasse boa parte das funções de um PC, entretanto, o projeto não decolou e a companhia acabou encerrando o suporte. Com a evolução do telefone, e a introdução de telas sensíveis ao toque, a Microsoft pensou em uma forma de retornar ao setor. E com pouco alarde, o Windows Phone foi lançado em novembro de 2010, chegando bem depois de seus concorrentes – iOS que foi lançado em 2007 e o Android tendo sua primeira versão lançada no ano seguinte. Este atraso na distribuição do sistema mobile da Microsoft acarretou numa diferença drástica de conteúdo, se comparado com os seus concorrentes que na época já obtinham uma boa representatividade em vendas. Aos poucos, a companhia foi fortalecendo o sistema móvel chegando ao atual Windows 10 Mobile que apesar de algumas lacunas não preenchidas, mostra um grande avanço visual e funcional do sistema. Vale lembrar que a Microsoft se mostra comprometida com o futuro do Windows Mobile lançando atualizações cumulativas para a versão final do sistema, como também o Windows Insider, uma programa para aqueles que se interessarem em acompanhar futuras versões do sistema que ainda estão sendo desenvolvidas.

2 – Planejamento falho nos Upgrades

Como qualquer outro sistema operacional, o Windows 10 Mobile passou por diversas atualizações que com o tempo remodelaram seu ecossistema, até chegar ao que ele é hoje. Trazendo melhorias tanto em aspectos visuais como funcionais, os upgrades fazem a alegria dos usuários mais devotos ao sistema. No entanto, a Microsoft proporcionou situações um pouco chatas para alguns clientes. Da transição do Windows Phone 7.5 para o seu posterior até então de codinome Apollo, a companhia realizou modificações que afetaram diretamente na forma em que o sistema se comunicava com o hardware, inutilizando a atualização em praticamente todos os telefones lançados até aquela data. Essa prática não foi bem vista pelos usuários que acabaram por adquirir um dispositivo com os dias contados. A situação foi “varrida para debaixo do tapete” com a liberação do update Tango (7.8), que trouxe algumas pequenas modificações no intuito de familiarizar os aparelhos obsoletos com a versã

Sobre o Autor

Paulo Carmino