Tecnologia

tudo que bombou (e flopou) na história da feira

Apresentamos aqui uma grande retrospectiva da E3, com seus principais pontos abordados

A Electronic Entertainment Expo, ou E3, nasceu para dar o devido destaque aos jogos eletrônicos. Ao longo do tempo, ela se tornou um dos principais eventos do mundo dos games nos últimos 25 anos. Aqui muitos dos grandes consoles e games foram anunciados, além de muitos fracassos. Apesar de não ter acontecido ano passado, ela já está garantida para acontecer este ano. Então, para celebrar o seu acontecimento, fizemos uma retrospectiva da E3 com os principais acontecimentos de todas as edições do evento até hoje.

1995 — O surgimento da Sony

A retrospectiva da e3 começa com a imagem do playstation 1, que roubou a cena na primeira feira.
O PlayStation 1 foi a casa de diversos grandes jogos, em especial os RPGs japoneses

Em 1995 finalmente começava a E3. Foi um ano onde as três principais desenvolvedoras da época, Nintendo, Sega e Sony preparavam o lançamento de seus próximos consoles. Quem abriu os trabalhos foi a casa do Sonic. O seu novo aparelho, o Saturn, já estava disponível para compra, por US$399. O valor cobrado era mais do que o dobro do console antecessor da empresa, o Mega Drive, mas ainda assim foi bem recebido pelo público. Porém tudo mudou quando a Sony entrou no palco.

A Sony começou sua apresentação com o preço do vindouro PlayStation, US$299, cem a menos que sua concorrente, e já roubou a cena logo de cara. Além disso, prometeu mais de 50 jogos lançados até o fim daquele ano. Enquanto isso, a Nintendo sofria com as baixíssimas vendas do seu terrível Virtual Boy e via muitas produtoras prometerem apoio à Sony, e decidiu adiar o anúncio do seu novo aparelho. Mesmo assim, a Big N reinava com seu Game Boy, além de bons jogos serem lançados para o Super NES naquele ano, como Donkey Kong Country 2, Chrono Trigger, Mega Man 7 e muitos outros.

1996 — A Sony apronta mais uma vez

Imagem do nintendo 64, anunciado aquele  ano.
Por ser à fita ainda, o Nintendo 64 possuía menos espaço para os jogos, o que fez com que algumas desenvolvedoras pulassem fora do barco

No ano seguinte, 1996, a E3 já começou com uma participante em coma. As decisões da Sega fizeram com que o Saturn sofresse muito, e isso refletiu muito nas vendas, com pouco mais de 200 aparelhos vendidos. Ainda assim, ela mostrou jogos que chamaram alguma atenção do público, como Nights into Dreams e Sonic X-treme, mas não foi além disso. A Nintendo já havia mostrado como seria o seu mais novo console, batizado de Nintendo 64. A empresa usou o palco da E3 para apresentar sua mais nova inovação, o controle analógico. Além disso, anunciou que cada pacote de seu novo aparelho viria acompanhado de Super Mario 64 e custaria US$ 249,99, mas isso não durou muito tempo.

Quando a Sony entrou no palco, a empresa sabia que precisava chamar bastante atenção, já que era novata no ramo ainda, contra titãs da indústria. Então ela fez o que ninguém esperava: cortou o preço do PlayStation, e agora ele custaria US$199,99. Isso pegou todo mundo de calça curta e obrigou as concorrentes a fazerem novos cortes de preço. A Nintendo baixou seu futuro Nintendo 64 para US$ 199,99, e a Sega seguiu o mesmo caminho.

Essa também foi a primeira E3 na qual a Microsoft participou. A empresa percebeu que aquele mercado estava em franco crescimento e queria garantir que seu sistema operacional fosse o melhor para games. Na feira, ela apresentou o simulador de guerra Close Combat, e um simulador de basquete em NBA Full Court Press entre outros games.

1997 — Um ano de muitos jogos

Imagem do protagonista de metal gear solid
O jogo de espionagem de Hideo Kojima roubou a cena na feira

Nas edições anteriores, consoles haviam sido anunciados e mostrados para o público, mas como eles já estavam disponíveis para os consumidores, restava uma única coisa: os jogos. A Sega chegou a ter um grande espaço na feira, mas tinha pouca coisa pra mostrar, e acabou meio solitária naquela grande festa. A Nintendo precisava mostrar o potencial do seu Nintendo 64, ainda mais depois de ter sido abandonada por diversas produtoras de jogos – muitas delas, como a Square, preferiam que a empresa tivesse escolhido o CD, mas ela insistiu no cartucho. Então, para suprir a demanda, a Nintendo apresentou o clássico Goldeneye 007, além de Banjo-Kazooie, Conker’s Quest, Star Fox 64 e muitos outros.

Enquanto isso, a Sony reinava na feira. A Konami apresentou o trailer de Metal Gear Solid, que parava tudo sempre que era mostrado. Além disso, foi mostrado também o que se tornaria o furacão Final Fantasy VII, e o mais novo controle do PlayStation, com dois analógicos (de quem será que tiraram essa ideia? Fica aí a indagação).

Nos PCs quem dominava eram os jogos de tiro em primeira pessoa. Half Life foi apresentado durante a feira, junto de uma série de outros games, como Quake II, Prey, Duke Nukem Forever e muitos outros.

1998 — O segredo do Dreamcast

Imagem do logo e personagens de final fantasy tactics.
A aventura de Ranza fez nascer uma paixão por jogos de RPGs estratégicos no ocidente, o que ajudou diversas outras franquias, como Fire Emblem e Disgaea

Depois de apanhar muito nos anos anteriores, a Sega resolveu que ia entrar de cabeça no evento. A empresa apresentou o seu novíssimo Dreamcast, que viria a ser sua última cartada no mundo dos consoles. Ela mostrou o poder gráfico do aparelho e todas as maravilhas que ele poderia desempenhar, mas resolveu mostrar isso somente para jornalistas. O que a motivou a fazer isso, ninguém sabe.

A Sony, enquanto isso, estava tranquila. Ela havia acabado de apresentar seu simulador de corridas, o Gran Turismo, e tinha diversos títulos de outras publicadoras na manga, como Final Fantasy Tactics, Final Fantasy VIII e mais novidades de Metal Gear Solid.

Pros lados da Big N, aquele era um ano extremamente importante. Em 1998, existia um joguinho de RPG que nem a própria Nintendo botava tanta fé, Pokémon. Como sabemos, a franquia tomou o mundo de assalto depois de ser apresentada na E3 de 1998. Mas as novidades não pararam por aí: esse foi o ano, também, em que um dos melhores jogos da história foi apresentado: The Legend of Zelda: Ocarina of Time.

1999 — O ano da nova geração

Controle do dreamcast em destaque.
O Dreamcast tinha boas ideias, mas falhou na sua execução, o que fez com que a Sega o abandonasse precocemente

E no ano da virada do século, a Sega iria, finalmente, apresentar o seu Dreamcast para o grande público na E3. Depois de já ter sido lançado em terras japonesas, nós ocidentais finalmente colocaríamos os olhos naquele console. A data de lançamento estava programada para o 9/9/1999, um paraíso para os amantes do número 9 e, talvez, com algo ligado à numerologia? Vai saber. Para a feira, a casa do Sonic apresentou jogos como The House of the Dead 2, Soul Calibur e outros, o que chamou bastante a atenção graças aos gráficos apresentados.

A Sony ainda não estava pronta para mostrar seu novo console, mas fez questão de levar um computador com especificações do que viria a ser o PlayStation 2. Seus jogos na feira foram Crash Team Racing, Dino Crisis e outros, mas ficaram aquém do que havia sido mostrado pela sua rival.

Mas quem roubou mesmo a cena mesmo naquela E3 foi a Nintendo. Durante a feira, a empresa anunciou que iria aderir à tecnologia do DVD no seu mais novo console, até então chamado de Dolphin, e que teria um chip de 128 bits. Enquanto isso, uma série de jogos do Nintendo 64 foi apresentada, como Pokémon Stadium, Pokémon Snap, Donkey Kong 64 e vários outros.

2000 — O recomeço da guerra de consoles

Imagem do playstation 2
O PlayStation 2 estava longe de ser perfeito ou o mais forte de sua geração, mas seus jogos fizeram com que ele dominasse o topo. Isso aliado à pirataria, claro

O novo milênio foi, mais uma vez, dominado pela Sony. A dona do PlayStation preparava o terreno para o lançamento ocidental do PlayStation 2 e havia prometido mais de 50 jogos até o fim do ano, o que deixou o público ouriçado. Seu carro chefe na feira foi Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty, que mostrava um pouquinho do poder do mais novo console da empresa.

A Nintendo, enquanto isso, não mostrou nada do Dolphin e focou em apresentar jogos e dados. Durante a feira, a empresa revelou que o Game Boy havia batido a casa das 100 milhões de cópias vendidas, um marco para a indústria. E para não deixar a peteca cair, apresentou a nova aventura de Link, em The Legend of Zelda: Majora’s Mask, e um novo game da franquia Pokémon, em Pokémon Stadium 2.

Por fim, a Sega, apesar de ter um bom console nas mãos, não soube como se apresentar na feira. Um dos seus principais títulos foi um game musical, o Samba de Amigo, cujo objetivo era balançar maracas e fazer pontos… Havia outro jogo, Seaman, cujo objetivo era cuidar de um peixe estranho com rosto humano que tinha a capacidade de conversarA Microsoft retornou à feira e mostrou o protótipo do que viria a ser um dos seus melhores jogos na história: Halo: Combat Evolved. Nessa versão, o game ainda mostrava jogabilidade em terceira pessoa, a qual foi mudada para primeira pessoa na versão final e consequente lançamento.

2001 — A troca de jogadores

Imagem do xbox clássico.
A Microsoft lançou seu console com um controle gigante, o Duke, o que não agradou muita gente. Posteriormente, o modelo japonês, mostrado na imagem, foi adotado como o principal

2001 foi o ano da mudança de jogadores. A Sega havia desistido oficialmente do seu Dreamcast, e a Microsoft levou o Xbox para os palcos da feira. Com data de lançamento, preço e uma série de jogos, a empresa de Bill Gates mostrava que não estava para brincadeiras. Halo: Combat Evolved roubou a cena e mostrava o poder da máquina.

A Nintendo, por sua vez, mudou o seu vindouro console. Dolphin sai de campo e entra o Game Cube. A ideia de usar DVDs também subiu pro telhado, e a tecnologia de discos seria o miniDVD, que é menor e possui menos capacidade de armazenamento de dados. Um dos principais jogos anunciados durante a feira foi Super Smash Bros. Meele, que é considerado até hoje um dos melhores da franquia.

Por cima disso tudo, a Sony flutuava. Seu PlayStation 2 vendia que nem água no deserto e nem a entrada da Microsoft no jogo pareceu abalar suas estruturas. Ela aproveitou para mostrar jogos, e os principais anúncios foram Devil May Cry, Klonoa 2 e Silent Hill 2.

2002 — O ano das sequências

Imagem de super mario sunshine
Mario vai passar férias em uma ilha paradisíaca, mas acaba sendo tragado para mais uma aventura

Seguindo o ritmo do ano anterior, a Sony se mantinha no topo. Ela anunciou que o PlayStation 2 havia vendido mais de 30 milhões de aparelhos, o céu era o limite. Para continuar nessa toada, seus jogos na feira foram de peso, com Devil May Cry 3, Silent Hill 3 e outras continuações. Tudo continuava bem para a empresa.

A Nintendo precisou apelar, e anunciou jogos para suas principais franquias: Super Mario Sunshine, Metroid Prime e The Legend of Zelda: Wind Waker. Para deixar seus fãs ainda mais felizes, a empresa havia fechado um contrato de exclusividade com a Capcom, e os remakes de Resident Evil 1 e 2 chegariam ao console da Big N. Além disso, um game que viria a se tornar um carro chefe da empresa anos depois também foi anunciado: Animal Crossing.

Enquanto suas concorrentes apresentavam diversas sequências, a Microsoft se dirigiu ao Japão e garantiu a exclusividade de alguns de seus jogos, como o Ninja Gaiden, da Tecmo, e Panzer Dragoon Orta, da Sega, além de mostrar também uma série de jogos multiplataforma, como Psychonauts.

2003 — A Sony ataca o reinado portátil da Nintendo

Imagem do psp
O PSP era ótimo. Ele podia reproduzir vídeos e músicas, além de ter uma excelente bateria

E, para variar um pouco, a Sony abalou as estruturas em 2003. Do nada, e pegando absolutamente todo mundo de surpresa, a empresa anunciou o seu mais novo console: o PlayStation Portable, ou PSP. Era a entrada da mãe do PlayStation no jogo que era dominado pela Nintendo: os portáteis. Para complementar, ela apresentou o trailer de Gran Turismo 4 e de outros games, como Metal Gear Solid 3: Snake Eater.

A Nintendo foi pega de calça curta, já que a empresa jamais acreditou que alguém iria querer ameaçar a sua coroa no mundo do portáteis. Para piorar mais ainda, não havia um grande lançamento que chamasse a atenção. A coisa foi similar com a Microsoft, que revelou a existência de Halo 2, mas, fora isso, nada de muito impacto aconteceu.

Quem roubou a cena mesmo foi a Valve, com o seu Half Life 2. Apresentando uma física inovadora até então e gráficos de ponta, o game foi o grande destaque da feira.

2004 — A Nintendo contra-ataca

Foi na época do nintendo ds que surgiu o meme "it prints money! " (ele imprime dinheiro! , em tradução livre), já que quase tudo o que saía para o console vendia - e muito.
Foi na época do Nintendo DS que surgiu o meme “It prints money!” (Ele imprime dinheiro!, em tradução livre), já que quase tudo o que saía para o console vendia – e muito

Se no ano anterior a Nintendo foi pega desprevenida, em 2004 ela veio com artilharia pesada. Ela apresentou ao público o que seria o sucessor do Game Boy Advanced: o Nintendo DS. O novo aparelho tinha duas telas, tela de toque, acesso à internet e muitas outras funcionalidades. Além disso, a empresa anunciou que estava trabalhando em mais uma aventura de Link em The Legend of Zelda: Twilight Princess.

A Sony continuava falando do PSP, mas nada de novo foi mostrado, nem jogo nenhum. Porém a empresa apresentou um jogo que é amado por muitos até hoje: God of War. Só isso já garantiu com que apresentação da Sony fosse amplamente comentada. Correndo por fora, a Microsoft deu maior destaque para sua principal franquia: Halo 2. Fora isso, nada de muito animador foi apresentado.

2005 — O novo round da guerra dos consoles

Imagem de um dos modelos do xbox 360.
O primeiro modelo do Xbox 360 tinha um problema de design que causou um enorme prejuízo para a Microsoft. O modelo teve que ser substituído e ele acabou vendendo muito bem na sua geração

Esse foi o ano onde as três empresas anunciaram seus novos consoles. A Microsoft aproveitou e entrou com os dois pés na porta, mostrando jogos, o sistema online do vindouro console e tudo o que faria do Xbox 360 um excelente console. Seu carro chefe era Gears of War, além de jogos da Rare, como Perfect Dark Zero e o game da adaptação do filme King Kong.

A Sony, por outro lado, se gabava da resolução do seu novo console, o PlayStation 3, que podia chegar até 1080p. Ela prometeu ainda que os games chegariam até 120hz, o que acabou não se provando verdade. Mas o principal destaque do console era a mídia que ele utilizava, o novíssimo Blu-ray, que tinha capacidade de 25GB, podendo chegar aos 50GB.

A casa do Mario também apresentou seu console, mas mostrando apenas um protótipo. A empresa garantiu que o Revolution, nome dado a ele na época, teria retrocompatibilidade total com o Game Cube e um sistema de download de jogos chamado de Virtual Console. Esse sistema permitiria com que os jogadores comprassem e baixassem jogos antigos de outros aparelhos da Nintendo.

Foi durante a E3 de 2005 que muitos jogos hoje considerados clássicos como Alan Wake, Spore, The Witcher, Age of Empires III e muitos outros foram revelados ao público.

2006 — A febre dos controles por movimento

O controle do wii era muito parecido com um controle de tv, o que foi mais bem aceito pelo público casual, transformando esse console da nintendo em um imenso sucesso.
O controle do Wii era muito parecido com um controle de TV, o que foi mais bem aceito pelo público casual, transformando esse console da Nintendo em um imenso sucesso

Com o Xbox 360 já lançado e o iminente lançamento do PlayStation 3 e do Nintendo Wii (novo nome do Revolution), agora era a hora de apresentar os jogos. A Microsoft entrou forte na feira, com Forza 2 e Fable 2 e apresentando mais uma vez Gears of War. Além disso, ela apresentou o sistema da Xbox Live Arcade, que vendia jogos de forma digital, e também novidades acerca do Windows Service.

Querendo aproveitar e demonstrar o potencial gráfico do PlayStation 3, a Sony apresentou um jogo que com o tempo se tornou um dos carros chefes da empresa: Uncharted. Para o PSP, a empresa apresentou Killzone: Liberation, produzido pela Guerrila Games.

Mas quem entrou com tudo na feira foi a Nintendo. O Wii roubou totalmente a cena com seu controle de movimento e, além disso, a Nintendo apresentou nada mais, nada menos do que Super Mario Galaxy, Wii Sports, Super Smash Bros. Brawl e Metroid Prime 3; todos jogos que marcaram sua época no console da Big N. Para seu portátil, a empresa anunciou The Legend of Zelda: Phantom Hourglass.

2007 — O ano da diminuição da feira

Cena de uncharted.
Com uma mistura de Indiana Jones e Lara Croft, Uncharted roubou a cena na E3 de 2007

A organização da E3 resolveu mudar o escopo e o local da feira em 2007, indo para Santa Mônica. As empresas, por outro lado, continuavam apostando tudo na feira e dando seu melhor. A Nintendo, como uma empresa que gosta de inovar de tempos em tempos, apresentou para o público uma série de periféricos para o Wii, com a pistola Wii Zapper, a Wii Balance Board e outros. O foco da empresa havia se voltado para o público casual, o que garantiu boas vendas do seu console.

Do outro lado da disputa, a Sony e a Microsoft se preocuparam em mostrar jogos. A dona do PlayStation mostrou uma série de jogos, como Gran Turismo 5 e inFamous, além de reforçar o lançamento de Uncharted, que estava próximo. O Xbox, por sua vez, trouxe o terceiro capítulo de Halo, Bioshock e Assassins Creed.

2008 — A revolução digital

Imagem de final fantasy xiii
Final Fantasy XIII foi um dos destaques da apresentação da Microsoft na feira. O jog