Tecnologia

Transações com criptomoedas na China tornam-se ilegais

Informação vinda do site do Banco Popular da China, informa sobre a proibição de criptomoedas no país. Confira o caso

Uma posição do Banco Popular da China informou, nessa sexta-feira (24 de setembro de 2021) que todas as transações que envolvem criptomoedas, tais como bitcoin ou tether, são proibidas no país. Uma vez que as criptomoedas na China se tornaram ilegais, pode-se considerar que há um retrocesso nos métodos atuais de pagamento.

No site do Banco Popular da China há uma informação de que, para a “segurança de sua população”, a partir de hoje as transações por criptomoedas na China estão proibidas. Lá ainda é possível ver um anúncio de que prestadoras de serviço estrangeiras, que trabalham com criptomoedas, estão banidas do país.

Transações com criptomoedas na china tornam-se ilegais
O Banco Popular da China

A instituição ainda afirma que a circulação de criptomoedas em geral ocasionam uma “perturbação” na ordem financeira e econômica do país, e continua dizendo que muitos cenários de corrupção são suscetíveis com as criptomoedas, tais como lavagem de dinheiro, esquema de pirâmides, arrecadação ilegal de fundos, bem como outras atividades criminais envolvendo dinheiro.

Reprimir resolutamente a especulação com moeda virtual, atividades financeiras relacionadas e mau comportamento, a fim de salvaguardar as propriedades das pessoas e manter a ordem econômica, financeira e social

Banco Popular da China em seu manifesto

Desde o momento dessa posição, o valor do bitcoin caiu em quase 6%, o que acabou deixando acionistas e investidores bastante preocupados. Apesar dos esforços para que as atividades internas com criptomoedas fossem banidas desde 2019, ainda não havia algo específico sobre transações internacionais, e agora é algo definitivamente ilegal. Lembrando que a mineração de criptomoedas na China é a maior no mundo todo.

Veja também:

Ao contrário da China, El Salvador é o primeiro país do mundo a aceitar o bitcoin como moeda legal, confira!

Fonte: TechCrunch.