Meio Ambiente

Seca na França leva à redução de uso de água

A primavera extremamente seca da Europa Ocidental resultou no maior índice de seca da França, dos últimos dias. No momento, dois terços dos lençóis freáticos do país estão abaixo dos níveis normais.

A primavera extremamente seca da Europa Ocidental resultou no maior índice de seca da França, dos últimos dias. No momento, dois terços dos lençóis freáticos do país estão abaixo dos níveis normais.

Dados de umidade do solo foram recolhidos por satélite e apresentado, na última sexta-feira (13), pela Agência Espacial Européia (ESA). Com exceção do extremo oeste da França, as imagens mostram que a maior parte do território francês, Bélgica e centro sul da Alemanha estão muito secos. Esta situação ficou ainda mais visível quando comparada ao mês de abril do ano passado.

Segundo o Estadão, a agência informou em comunicado que os mais prejudicados são os agricultores e responsáveis pela gestão dos recursos hídricos. Outro fator que causa preocupação é o fato de que em situações como esta o risco de incêndios florestais torna-se maior.

O satélite, SMOS, está há 18 meses medindo em escala global a umidade armazenada no terreno e a salinidade da superfície dos oceanos. Tais medições são importantes para previsões sobre a temperatura, a umidade ambiente e o nível de precipitações. Estimar a quantidade de água armazenada na região das raízes é útil para a agricultura e para melhorar as previsões meteorológicas.

A Organização Meteorológica Mundial informou no último dia dez, que uma frente de altas pressões atmosféricas é o motivo pelo qual a falta de chuva na Europa pode durar semanas. Segundo a Agência Internacional Prensa Latina, a situação está complicada, tanto que a ministra de Ecologia na França, Nathalie Kosciusko-Morizet, alertou para possíveis medidas de restrição e racionalização do consumo de água.

Segundo a ministra, reutilizar águas sujas é uma das formas de economizar. Algumas medidas já foram tomadas, como a proibição de encher piscinas, porém nenhuma medida urgente foi decretada.

Apesar da previsão de chuvas, se os meteorologistas estiveram corretos, a crise ambiental não deve melhorar por enquanto. Isto porque prevalece o aumento da temperatura nos próximos dias. Com informações do Estadão e da agência Prensa Latina.

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter