Meio Ambiente

Sabesp e Ecóleo juntas no combate ao descarte inadequado do óleo de cozinha

Um litro de óleo despejado na pia pode poluir até um milhão de litros de água limpa, além de danificar a instalação hidráulica da residência. Por isso, é preciso descartá-lo corretamente.

Um litro de óleo despejado na pia pode poluir até um milhão de litros de água limpa, além de danificar a instalação hidráulica da residência. Por isso, é preciso descartá-lo corretamente. Entre 2008 e 2009 um programa de conscientização foi iniciado no bairro de Cerqueira César, no centro de São Paulo. Durante esse período, a quantidade de entupimentos na região diminuiu em 26%. O projeto foi promovido pela Associação Brasileira para Sensibilização, Coleta e Reciclagem de Resíduos de Óleo Comestível, a Ecóleo.

A adesão da população paulista quanto ao descarte adequado do óleo foi bastante expressiva, por isso a Ecóleo, em parceria com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo), realizou na última semana, o 1° Seminário sobre Coleta e Reciclagem do Óleo Vegetal Usado.

O evento mostrou um mapeamento dos pontos de coleta de óleo existentes na capital e quais ONGs participam do trabalho de conscientização. Hoje, somente a Ecóleo recolhe 1,7 milhão de litros de óleo de cozinha, isso representa apenas 5% do volumo da região da Grande São Paulo. Porém, é um começo significativo.

O óleo usado tem bastante utilidade, servindo com matéria-prima para a produção de biodiesel, sabão e detergente. Cada litro do óleo vegetal chega a ser comercializado a R$ 0,90 e a coleta e venda desse material sustenta mais de 1.200 famílias que trabalham em cooperativas.

 “Programas como esse deveriam ter adesão mundial, mas por enquanto, estamos satisfeitos em saber que este projeto é um dos que tem maior adesão da população dentro da nossa empresa”, disse o presidente da Sabesp, em declaração ao Instituo Akatu.

Clique aqui para saber qual o ponto de coleto mais próximo de você.

Informações: Instituo Akatu