Tecnologia

Resident Evil 4 para Switch é pura ação portátil

Escrito por Paulo Carmino

Resident Evil 4 enfim chega ao Nintendo Switch – entregando pela primeira vez a experiência completa do título em plataforma portátil. Confira nossa análise!

A franquia Resident Evil definiu o gênero horror de sobrevivência nos games. A Capcom já havia disponibilizado Resident Evil: Revelations 1 e 2 para o Nintendo Switch, e agora chegou a vez do trio Resident Evil, Resident Evil 0 e Resident Evil 4 chegarem ao console.

A Capcom gentilmente nos cedeu uma cópia de cada um dos três títulos para análise, e agora você confere a review de Resident Evil 4.

O mesmo Resident Evil 4 que conhecemos e amamos

Lançado em 2005 para o Nintendo GameCube, Resident Evil 4 reinventou a franquia abandonando os ângulos fixos de câmera e posicionando-a sobre o ombro do protagonista. Foi uma enorme inovação para a época: agora era possível atirar livremente, explorar os cenários de forma muito mais dinâmica e colocar inimigos mais rápidos e em maior quantidade na tela.

Leon vai sofrer para manter Ashley sã e salva

Seis anos após o incidente de Raccoon City, Leon Scott Kennedy não é mais o policial novato de Resident Evil 2. Agora um agente secreto do governo americano, recebe a missão de resgatar Ashley Graham, a filha do presidente – que foi sequestrada por um culto com intenções sombrias. Sozinho em um vilarejo na área rural da Espanha, Leon vai enfrentar inimigos mais inteligentes que os zumbis de Raccoon enquanto descobre que as coisas não são tão simples quanto parecem.

Uma obra de arte, mesmo com suas limitações

Resident Evil 4 continua brilhando 14 anos depois do seu lançamento original. O gameplay, mesmo com suas limitações, é divertidíssimo. No melhor estilo Resident Evil, você vai enfrentar horas de inimigos agressivos e monstros mutantes gigantescos.

O título trouxe um foco maior na exploração dos ambientes: você encontra itens que podem ser vendidos ao Mercador. O dinheiro da venda pode ser utilizado para melhorar suas armas ou comprar novas. Elas são variadas e utilizá-las de forma inteligente é crucial.

Captura de tela da maleta de itens de Leon em Resident Evil 4 . Contém uma pistola, uma escopeta, uma submetralhadora, quatro ervas de cura, 5 granadas incendiárias, 1 granada de flash (que solta um brilho que cega os inimigos temporáriamente), 1 ovo dourado e uma série de munições para essas armas.
Organizar a maleta de Leon em Resident Evil 4 é quase terapêutico

Como um jogo de 2004, naturalmente alguns detalhes não envelheceram tão bem. O controle do protagonista no esquema de “tanque” é o principal. Isso pode causar estranheza para jogadores mais novos, acostumados com games com controles mais livres e dinâmicos. Grande parte da atmosfera, tensão e charme do título se deve a jogabilidade engessada. O ritmo e layout dos cenários do jogo foram desenhados com esses detalhes em mente. Se é a primeira vez que você está jogando Resident Evil 4, tenha isso em mente e se divirta muito.

Resident Evil 4 em qualquer lugar

A versão para Nintendo Switch de Resident Evil 4 é baseada nas edições lançadas para Xbox One e Playstation 4. Em termos gráficos e de conteúdo, espere paridade com essas versões. Texturas de personagens, armas, itens e menus foram remasterizados em alta definição. Todos os conteúdos extras também estão presentes: Assignment Ada, Separate Ways e o favorito dos fãs: The Mercenaries.

A performance também é equivalente: o jogo roda a 60 quadros por segundo tanto no modo portátil quanto no modo docked. Joguei o game quase que por inteiro no modo portátil e existem quedas de frames pontuais, bem sutis. Já no modo docked, essas pequenas quedas de frames são mais perceptíveis. Não parece ser algo difícil de ser corrigido se a Capcom quiser investir um pouco mais de tempo no desenvolvimento para lançar uma atualização.

Ah, e as telas de loading são praticamente inexistentes. O tempo entre abrir uma porta e o carregamento de uma nova área é de no máximo 2 segundos. Isso é ótimo: quanto menos interrupções, melhor o rítmo da campanha.

Jogar Resident Evil 4 em qualquer lugar é um sonho de adolescência se tornando realidade. Tenho história com o game: já terminei inúmeras vezes em várias plataformas diferentes. Tirar o Switch da mochila, pressionar o botão power e ter a experiência completa do game de forma instantânea é muito bom.

O modo The Mercenaries, em especial, ganha um brilho extra com essa facilidade de se ligar o console para uma partida rápida. Clássico na franquia, o modo é um mini game em que o objetivo é eliminar o máximo de inimigos no menor tempo possível, criando combos. É possível desbloquear vários personagens da franquia, incluindo o vilão Wesker e o misterioso Hunk. A natureza rápida desse modo é perfeita para o modo portátil do Switch.

O fantasma da edição Wii

A versão para Nintendo Wii de Resident Evil 4 é considerada por muitos a edição definitiva. Além de ser baseada na edição do GameCube, que tem melhores gráficos e cenas de corte em tempo real, ela trouxe o suporte aos controles de movimento do console. É possível mirar apontando o Wiimote para a tela, deixando o gameplay consideravelmente mais fluido que as demais versões.

A versão Wii de Resident Evil 4 é considerada uma das melhores, especialmente por permitir mirar apontando o wiimote na tela

Os relançamentos de Resident Evil Revelations 1 e 2 para Switch trouxeram uma série de inovações e recursos exclusivos para o console híbrido da Nintendo. Além do suporte aos controles de movimento, os games ganharam também suporte aos amiibos.

A coletânea Resident Evil Revelations para Switch trouxe a mira com sensor de movimentos e ainda um movimento especial para recarregar as armas

A esperança era que a Capcom implementasse algo semelhante em Resident Evil 4, mas isso não aconteceu. O game não traz suporte para controles de movimento, menus acessíveis pela tela de toque do console ou quaisquer outros recursos que tirem proveito das funcionalidades do Switch.

Veredito

Resident Evil 4 no Switch é um port sólido do clássico da Capcom. Se você nunca jogou, essa é uma ótima oportunidade de redescobrir um dos jogos mais influentes das últimas gerações. Se você já jogou, é a chance de redescobrir o game com menus e texturas e HD e em qualquer hora e lugar.

Todos os games da franquia relançados custam 30 dólares. Para nós, o preço chega a ser equivalente ao cobrado na Xbox Live e Playstation Network brasileiras (R$150) se levarmos em consideração as taxas de IOF.

Sobre o Autor

Paulo Carmino