Meio Ambiente

Produtos químicos comprometem plantações de melancia na China

Na província de Jiangsu, China, diversos “campos minados” de melancia têm se formado por causa do mal uso de produtos químicos na plantação. Especialistas afirmam que o excesso de produto associado à intensa precipitação causa a explosão das frutas.

Melancias em mais de 47 hectares, na província de Jiangsu, leste da China foram encontradas destruídas no campo, após “explosões” possivelmente causadas por uma superdosagem de uma substância química permitida no país, que promove o crescimento das plantas, adicionada a uma precipitação súbita, ocorrida após longo períodos de seca. A situação criou espécies de “campos minados”, de acordo com a mídia estatal chinesa. 

De acordo com a investigação realizada pela Televisão Central Chinesa, o uso destes produtos químicos em excesso, que tinham como ojetivo fazer as plantações crescerem e se tornarem maduras antes do tempo, causou problemas para os agricultores. As frutas, estão explodindo por causa do crescimento acelerado. 

A mesma investigação afirma ainda que a intenção dos agricultores era amadurecer a fruta antes do período de colheita a fim de terem a fruta no mercado antes da época, o que faria crescer o lucro de produção destes agricultores. 

Ao contrário do que diz a investigação, os agricultores incrédulos afirmam à televisão que nunca usaram esses produtos químicos de crescimento em suas plantações. 

Diversas hipóteses para explicar os acontecimentos foram lançadas, apontando o clima ou o próprio tamanho anormal das melancias como culpados, uma vez que especialistas agrícolas afirmam que este tipo de químico não foi encontrado nas frutas. 

Parte dos agricultores que reclamam da “explosão das melancias” alegam ter comprado sementes importadas do Japão, afirma a agência de notícias chinesa Xinhua. 

De qualquer maneira, estes incidentes estão trazendo prejuízo para os agricultores que perderam com isso, diversos hectares de suas plantações. Os consumidores também estão preocupados que a fruta contenha resíduos químicos, que as tornam impróprias para o consumo. 

Wang Liangju, professor da Universidade Agrícola Nanjing, disse que o produto químico é seguro, desde que a quantidade certa seja usada, e muitas vezes, antes da fruta ir para o mercado, o resíduo químico presente é tão baixo que mal pode ser detectado. Portanto, basicamente não existe efeito colateral para as pessoas. 

Regulamentos chineses não proibem o uso da droga que é permitida nos EUA nas plantações de kiwi e uva. Mas segundo as investigações, os agricultores estão abusando de ambas as substâncias químicas lícitas e ilícitas, com muitas fazendas estão fazendo mau uso de pesticidas e fertilizantes. 

A China pretende estabelecer um sistema de rastreamento de produtos para mostrar aos consumidores a quantidade de pesticidas e fertilizantes utilizados na sua alimentação. 

Redação CicloVivo

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter