Desenvolvimento

Pesquisador chinês usa óleo de cozinha para produzir asfalto

O criador garante que o resultado do chamado “bioasfalto” é tão bom quanto o convencional.

Quando se fala em reuso de óleo vem à mente o famoso sabão caseiro. Mas, Haifang Wen, professor assistente de engenharia civil da Universidade do Estado de Washington (EUA), mostrou que o resíduo pode ser utilizado em uma produção maior: a pavimentação de ruas.

O pesquisador desenvolveu uma tecnologia que torna sustentável a fabricação de asfalto. Há quatro anos ele trabalha nesse projeto e garante que o resultado do chamado “bioasfalto” é tão bom quanto o convencional. “Estou muito animado para patenteá-lo”, afirmou em entrevista à University Communications.

A partir de junho, Wen promete testar o produto construindo uma estrada com cerca de 500 metros. Em seu laboratório, os componentes de seu asfalto são submetidos a uma série de testes rigorosos, como de compressão e carga, altas e baixas temperaturas, entre outros.

Ele garante que se a tecnologia for implantada em larga escala, além do ganho ambiental, o país reduzirá os custos, tornando a construção de estradas muito mais barata.

Será que, em breve, os motoristas de Washington vão dirigir em ruas pavimentadas com bioasfalto? O futuro ainda é incerto, entretanto Wen afirma que a indústria está "muito interessada e aguardando ansiosamente o lançamento do produto".


Washington State University/Divulgação

O engenheiro não é o único a buscar novas soluções nesta área. Um estudante de Kansas, por exemplo, usou um composto vegetal para criar asfalto (veja aqui). Já na Holanda, um grupo de pesquisadores está desenvolvendo um pavimento que absorve a poluição do ar, veja aqui.

Marcia Sousa – Redação CicloVivo