Meio Ambiente

NASA divulga mapa que relaciona mortes com poluição do ar

China e Índia são as regiões mais preocupantes do planeta, mas poluição gerada pelo trânsito e queima de carvão causam mortes no mundo inteiro.

Na última quinta (19), o observatório da Terra da NASA divulgou um mapa que mostra o número de mortes prematuras relacionadas com a poluição do ar em cada parte do mundo. A China e a Índia aparecem como as zonas mais perigosas, mas quase todos os grandes centros urbanos do mundo – inclusive São Paulo e Rio de Janeiro – podem ser considerados como cenários preocupantes.

No produto cartográfico elaborado pela Agência Espacial Americana, as regiões que aparecem com a cor marrom mais intensa são aquelas em que mais mortes estão relacionadas com a emissão de material particulado na atmosfera. Os locais destacados em branco registram menos fatalidades ligadas à poluição do ar, e, nas regiões em azul, o índice é ainda menor.

Os especialistas relacionam as mortes com a poluição do ar ao analisar os efeitos do material particulado no organismo humano – invisíveis a olho nu, estas estruturas são originadas da queima de combustíveis e atingem o sistema respiratório como um todo, diminuindo a imunidade e causando doenças crônicas não transmissíveis, como asma, bronquite, problemas cardiorrespiratórios e até mesmo câncer nos órgãos do aparelho respiratório.

A NASA também concluiu que os dois países que registram maior número de mortes relacionadas ao ar poluído não costumam apostar em energias renováveis. Assim, onde é mais intensa a atividade das usinas de carvão, mais material particulado é emitido na atmosfera. De acordo com uma reportagem publicada pelo CicloVivo em julho, só no Reino Unido, a poluição do ar já faz mais vítimas do que o alcoolismo e a obesidade.

Com informações da Exame.
Redação CicloVivo