Meio Ambiente

Mico-leão-preto é eleito patrimônio ambiental de São Paulo

Na ocasião, foi também lançada a Comissão Permanente de Proteção dos Primatas Nativos.

Em evento realizado na noite do dia 5 de junho (Dia Mundial do Meio Ambiente), o Governo do Estado de São Paulo decretou o mico-leão-preto como patrimônio ambiental paulistano. Na ocasião, foi também lançada a Comissão Permanente de Proteção dos Primatas Nativos (Comissão Pró-Primatas Paulistas), que tem por objetivo promover o respeito às espécies, conhecimento científico, conservação e recuperação de primatas em seu estado e hábitat, além da educação ambiental para proteção dessas espécies.

O IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas) é membro desta comissão e uma das organizações atuantes em São Paulo pela proteção do mico-leão-preto. Este ano, o Instituto celebra 30 anos de ações para proteção da espécie na Mata Atlântica, por meio de estudos científicos, educação ambiental, restauração de paisagens e apoio na formulação de políticas públicas em prol do mico.

Ao longo dos anos, o trabalho de conservação do IPÊ, profissionais e instituições de meio ambiental, com apoio dos órgãos governamentais, já obteve resultados expressivos: mudança da categoria do mico-leão-preto de “criticamente ameaçado” para “ameaçado” (de acordo com a Lista Vermelha da UICN), estabelecendo um futuro mais otimista para este pequeno primata; criação da Estação Ecológica Mico-Leão-Preto, de extrema importância para a Mata Atlântica e para a espécie; definição dos limites para a criação do Mapa dos Sonhos do Pontal do Paranapanema, que indica áreas prioritárias para restauração ambiental na região, entre outras tomadas de decisão importantes à sobrevivência da espécie.

Sobre o programa de conservação do Mico-Leão-Preto

Há 30 anos, o primatólogo Claudio Padua começaria uma das histórias marcantes da conservação da biodiversidade brasileira, ao iniciar as pesquisas de campo com o mico-leão-preto, espécie que só existe no Estado de São Paulo e que até os anos 1970 era considerada extinta na natureza. Após deixar de lado a carreira de administrador para se dedicar à proteção ambiental, Padua logo se envolveu com a equipe de pesquisa do professor Adelmar Coimbra-Filho, no Centro de Primatologia do Rio de Janeiro, que o levou a estudar o mico paulista no Pontal do Paranapanema, oeste de São Paulo, uma importante área de Mata Atlântica de interior.

Estudos sobre comportamento da espécie ou quantidade de grupos existentes nas florestas remanescentes, localizadas no entorno da cidade de Teodoro Sampaio (SP), acabaram não se mostrando eficientes sozinhos para a proteção dos micos. A maior ameaça à espécie estava na perda de seu hábitat, afinal, a região de pesquisas tem um grave histórico de devastação e fragmentação de suas florestas. Diante da necessidade de envolver a comunidade local e mobilizá-la pela proteção florestal é que Suzana Padua, esposa do pesquisador, passou a realizar atividades de educação ambiental, contando com a participação dos moradores da cidade. Nascia assim o princípio de uma estratégia de conservação de espécies e o início de um dos mais longos programas de conservação do Brasil.