Tecnologia

Meta demite mais 6.000 funcionários; 21 mil pessoas foram mandadas embora desde novembro

A Meta realizou sua última rodada de demissões em massa nesta quarta-feira (24). Mais 6.000 funcionários da empresa foram dispensados.

Os cortes, anunciados em novembro do ano passado, quando o CEO Mark Zuckerberg mandou embora outros 11.000 trabalhadores, fazem parte do chamado “Ano da Eficiência” da empresa, no qual a companhia será reestruturada para economizar dinheiro e nivelar a estrutura da organização.

Depois da primeira onda de demissões no ano passado, Zuckerberg anunciou, em março, que cortaria 10.000 empregos em duas rodadas: uma no final de abril e outra no final de maio.

Imagem: reprodução / Facebook

A reestruturação da Meta

Além de cortar esses 21.000 empregados, a Meta também congelou cerca de 5.000 vagas abertas. Assim, o quadro global foi reduzido em cerca de 25% desde novembro, quando a empresa tinha 87.000 empregados.

“Desde que reduzimos nossa força de trabalho no ano passado, um resultado surpreendente é que muitas coisas foram mais rápidas”, escreveu Zuckerberg em seu blog em março.

Curioso é que ao mesmo tempo em que milhares de pessoas deixam seus trabalhos, a empresa anteriormente conhecida como Facebook gastou US$ 13,7 bilhões no ano passado no Reality Labs, o departamento de desenvolvimento do metaverso.

Imagem mostra os avatares do metaverso da Meta

Imagem: divulgação

“Desenvolveu-se uma narrativa de que, de alguma forma, estamos nos afastando do foco na visão do metaverso, então só quero dizer de antemão que isso não é preciso”, disse Zuckerberg em uma teleconferência trimestral no mês passado. “Temos nos concentrado na IA e no metaverso, e continuaremos a fazê-lo.”

Em paralelo, a Meta trabalha em seus próprios chips personalizados e em um supercomputador para dar suporte à pesquisa de inteligência artificial em larga escala. A iniciativa pode colocar ao império de Zuckerberg lado a lado com gigantes como Google e Microsoft, que já possuem seus próprios supercomputadores.

Via: TechCrunch


Créditos: TecMasters