Tecnologia

LG rasga smart TV ao meio para mostrar as vantagens do OLED

Escrito por Paulo Carmino

A LG exibiu em um evento exclusivo suas principais opções de TV com tela OLED para exibir a qualidade de imagem que podem reproduzir.

A LG realizou, nesta terça-feira (19), em sua sede em São Paulo, o LabTech OLED. O workshop teve como principal objetivo mostrar os benefícios e vantagens da tecnologia OLED nos painéis das smart TVs da empresa em relação à concorrência.

Durante a apresentação, a LG usou um dos principais televisores de sua linha atual, OLED 55 B8, de 55 polegadas, como objeto experimentação. Em meio a uma dinâmica em grupo, os jornalistas convidados puderam aprender com mais detalhes o que é a tecnologia OLED, como ela se diferencia das demais e porque suas imagens oferecem maior contraste e cores.

A demonstração também considerou algumas das principais funcionalidades da TV, com destaque para o uso da tecnologia de inteligência artificial. O processador da LG OLED 55 B8 usa uma combinação de funções para analisar o ambiente da sua sala e localiza a origem do sinal de imagem e som, otimizando esses canais de acordo com o conteúdo que está passando na televisão. Acompanhe a cobertura para saber tudo o que foi mostrado no evento.

Como as telas de TV evoluíram ao longo dos anos?

Antes do evento começar, o executivo Pedro Valery, responsável pela área de televisores da LG no Brasil, declarou em nota:

“Achamos incrivelmente importante realizar uma ação como essa para demonstrar o real funcionamento de televisores, suas diferenças de tecnologia e qualidade de imagem e som, e como isso resulta em experiências totalmente diferentes para o consumidor”.

Pedro Valery, responsável pela área de televisores da LG no Brasil

Considerando a própria declaração, executivo começou a apresentação mostrando a evolução das tecnologias de telas desde a década de 70 até os dias de hoje.

Traçando um panorama que vem desde a década de 70 com as telas CRT, a famosa “TV de tubo“: durante três décadas, esse tipo de painel foi o padrão dos televisores, contando apenas com pequenas evoluções. O panorama começou a mudar na virada do milênio, com a chegada da TV de plasma.

Nos últimos 10 anos, a evolução das telas cresceu em ritmo frenético

A partir daí, a evolução das telas de TV aconteceu em ritmo constante, com a chegada do LCD e CCFL em 2005 e as primeiras TVs de LED, lançadas há dez anos.

As telas LED foram uma evolução expressiva em relação ao LCD. Ainda assim, ela carrega algumas limitações, como a impossibilidade de reproduzir a cor preta em sua totalidade. Por conta da iluminação traseira, o máximo de preto que o LED consegue reproduzir é um tom de cinza.

Pedro Valery, responsável pela área de televisores da LG no Brasil, desmontou um TV da marca pra analisar
Pedro Valery, responsável pela área de televisores da LG no Brasil, desmontou um TV de LED para analisá-la por dentro

Os pontos quânticos tentaram resolver esse problema e conseguiram, mas até certo ponto. Ao inserir uma camada entre a iluminação traseira e a camada de cristal líquido da tela, o efeito do backlighting é menor, possibilitando uma melhor exibição das cores. Veja como são as camadas de uma TV que usa pontos quânticos na imagem abaixo e entenda mais sobre como as tecnologias mencionadas até aqui se comparam.

O painel de pontos quânticos diminuiu o problema do backlight, mas não resolveu por completo
O painel de pontos quânticos diminuiu o problema do backlight, mas não resolveu por completo

O próximo passo da evolução veio por meio do painel LG NanoCell, que traz nanopartículas já aplicadas em uma película integrada. Ela usa uma premissa parecida à dos pontos quânticos, mas possui duas principais diferenças:

A primeira é o diâmetro dos cristais, menor que na tecnologia de pontos quânticos. Enquanto os cristais quânticos medem de 2 a 5mm, as nanopartículas medem 1mm. A segunda é a maneira como ela organiza a iluminação.

Nas tecnologias anteriores, a iluminação é feita por faixas verticais. Isso significa que, caso exista um pequeno objeto luminoso em uma tela escura, toda a faixa será iluminada. Já o LG Nanocell faz essa iluminação por zonas, iluminando seu display de maneira mais precisa.

O NanoCell mitigou ainda mais o problema de backlight mudando a forma como a tela é iluminada
O NanoCell mitigou ainda mais o problema de backlight mudando a forma como a tela é iluminada

Como funciona a tecnologia OLED?

A tecnologia OLED se livra do backlight totalmente, já que os próprios pixels são capazes de produzir sua iluminação. Além disso, o problema de vazamento de luz deixa de existir. Podemos dizer que apenas telas OLED são capazes de reproduzir a cor preta em sua integridade, ao invés de um tom de cinza.

Atrás do painel fica apenas a superfície metálica, responsável por eletrificar o painel
Atrás do painel fica apenas a superfície metálica, responsável por eletrificar o painel

Com isso, se torna possível criar um painel maleável, facilitando a criação de aparelhos com displays flexíveis, dobráveis ou roláveis, como já acontece na LG SIGNATURE OLED TV R, a primeira TV ‘rolável’ do mundo.

Para ilustrar melhor como as telas OLED se diferenciam das mostradas até aqui, o executivo Pedro Valery mostrou uma TV LED, uma Nanocell e o display OLED, da esquerda para a direita.

Pedro Valery demostra na prática a diferença entre um painel LED (esquerda), NanoCell (Centro) e OLED
Pedro Valery demostra na prática a diferença entre um painel LED (esquerda), NanoCell (Centro) e OLED

Atualmente, a linha premium dos aparelhos da LG é focada na produção de TV com telas OLED em conjunto com plataformas de IoT e inteligência artificial. O uso de ambas as tecnologias permite executar comandos de voz para controlar a televisão, ao mesmo tempo em que o próprio televisor otimiza suas configurações de acordo com a análise do ambiente e do que está fazendo.

painel dobravel
A tecnologia OLED facilita a criação de TVs dobráveis ou roláveis

Quais são os modelos OLED da LG disponíveis hoje?

Ao final da apresentação, a LG mostrou os principais televisores com tela OLED disponíveis no mercado. Saiba mais sobre cada um deles a seguir.

LG OLED E9

lg oled e9

Equipado com o processador a9 Gen II, a LG OLED E9 otimiza automaticamente as imagens e sons de acordo com o que se está assistindo ou jogando na televisão. Além disso, ela também é capaz de converter sons no padrão 2.0 para o surround sound 5.1, como se fosse um upscaling.

Ela é compatível com todos os principais modelos de assistente virtual do Google, Apple e Amazon. Até mesmo jogar se torna mais fácil, já que o famoso input lag (atraso entre o comando que fez no controle e o que é exibido na tela) é menor que 1ms.

A LG OLED E9 está disponível em modelo único de 65″ por R$ 18.999,05 na Loja Oficial do Showmetech na Magazine Luiza.

LG OLED C9

lg oled c9

Também equipada com o processador a9 Gen II, a LG OLED C9 também é capaz de todas as funcionalidades relacionadas à inteligência artificial da LG OLED E9. Uma das diferenças entre os modelos é o sistema de som, inferior em relação à C9.

Além disso, esse modelo é comercializado em diversos tamanhos, podendo escolher o ideal tanto para a sua sala, quanto para a sua conta bancária. Confira abaixo os preços e tamanhos disponíveis desse modelo:

  • 55″ – R$ 6.459,91 na Loja Oficial do Showmetech na Magazine Luiza.
  • 65″ – R$ 9.499,05 na Loja Oficial do Showmetech na Magazine Luiza.
  • 77″ – R$ 37.999,05 na Loja Oficial do Showmetech na Magazine Luiza.

LG OLED B9

lg evento b9

O terceiro modelo com tela OLED é o LG OLED B9. Mais acessível que os outros modelos, ele vem equipado com a geração anterior do processador LG, o a7 Gen II. Ainda assim, é importante lembrar que a TV ainda comporta todas as funções de inteligência artificial que seus irmãos mais potentes.

Ele também é compatível com os principais assistentes virtuais do mercado, ficando atrás apenas na qualidade de áudio, que é igual ao do C9. O LG OLED B9 está disponível em dois tamanhos diferentes, que pode ser conferidos abaixo:

O OLED será o futuro das telas de TV?

Ainda é cedo para bater o martelo e dizer que o padrão nos próximos anos será o de paineis OLED. Por outro lado, a flexibilidade que confere e a clara melhoria na exibição das cores e contrastes indicam que esse pode ser um futuro próximo.

Isso vai depender das outras fabricantes e das tecnologias que podem estar sendo desenvolvidas longe dos olhos do público.

Sobre o Autor

Paulo Carmino