Geek

Jogador de Call of Duty é condenado a 15 meses de prisão por trote que matou inocente

Escrito por Paulo Carmino

Um americano de 19 anos que planejou um trote que resultou na morte de um pai de família, confundido com um rival online de Call of Duty, foi condenado a 15 meses de prisão na semana passada.

Casey Viner se declarou culpado de conspiração em um caso de “swatting”, uma brincadeira que envolve fazer chamadas falsas para a polícia ou o número de emergência 911 solicitando equipes da SWAT na casa de alguém. No caso, a vítima foi Andrew Finch, um residente de Wichita, Kansas, e pai de dois filhos, morto a tiros quando a polícia invadiu sua casa em dezembro de 2017 pensando haver um sequestro com reféns.

A decisão foi tomada depois que, em março, um juiz federal condenou o principal acusado, Tyler Barriss, a 20 anos de prisão. Viner havia recrutado Barriss para armar o trote contra um jogador rival, Shane Gaskill, que havia discutido com ele em uma partida de Call of Duty: WWII. Durante a briga, Gaskill conscientemente deu um endereço antigo a Viner, o desafiando a “tentar alguma coisa”, o que acabou levando Barriss a denunciar falsamente um tiroteio e sequestro na residência de Finch.

A polícia de Wichita atirou em Finch, que não estava envolvido na disputa, quando ele abriu a porta para ver o que estava acontecendo. Finch morreu mais tarde em um hospital, e os promotores decidiram não apresentar queixa contra o policial que atirou, sob a justificativa que eles pensarem erroneamente que Finch tentava pegar uma arma na cintura.

Após a prisão, Viner será proibido de jogar videogame por dois anos durante período de liberdade supervisionada. O adolescente também foi acusado de obstrução da justiça e admitiu tentar esconder seu envolvimento no incidente de 2017. Uma acusação federal alegou que a investigação de seu telefone celular revelou mensagens excluídas de Finch, incluindo uma que dizia: “Eu me envolvi na morte de alguém”.

O terceiro acusado no caso, Shane Gaskill, conseguiu adiar o processo e tenta que as acusações contra ele sejam descartadas.

Sobre o Autor

Paulo Carmino