Geek

Google entra no mercado de games tradicionais com serviço de streaming Stadia

Escrito por Paulo Carmino

Após vários teasers, o Google anunciou o serviço de jogos em streaming Stadia durante apresentação na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. Como se especulava, o Stadia é o nome final do Project Streaming testado no ano passado, que agora será lançado em versão comercial acompanhado de um controle de videogame com design tradicional.

Segundo o CEO do Google, Sundar Pichai, que se revelou um jogador casual de FIFA 19, o objetivo do Stadia é levar os jogos de ponta a todos, com a infra-estrutura de data centers do Google servindo para fazer streaming, através do navegador Chrome, em alta-definição, a 60 quadros por segundo, para qualquer aparelho capaz de acessar a internet, de um smartphone a um PC barato. Basicamente, é mais um Netflix de games, porém a ambição do Google é bem maior que as iniciativas anteriores nesta tecnologia.

O vice-presidente desta nova divisão do Google, o ex-Sony e ex-Microsoft Phil Harrison, ressaltou que o Stadia será integrado ao YouTube para permitir vários novos recursos aos criadores de conteúdo da plataforma de vídeo. As possibilidades incluem acesso dos espectadores à mesma sessão de jogo de um streamer, clicando em um botão “reproduzir agora”; integração de convites para participar do multiplayer indo do Youtube ao jogo em si rapidamente; a possibilidade de compartilhar um momento específico do jogo com outras pessoas, sem a necessidade de existir um “save”, e até usar o assistente do Google para pedir ajuda em uma fase sem sair do jogo.

Controles USB existentes que se conectam a um PC funcionarão com o Stadia, mas o Google vai lançar um controle próprio, o Stadia Controller, com botões de acesso rápido a algumas funcionalidades, como o compartilhamento de sessões de jogo e acesso ao Assistente do Google.

O Stadia vai proporcionar streaming a até 4K e 60 quadros por segundo no lançamento, mas futuramente a tecnologia será capaz de chegar a 8K e 120 qps. Nos data centers do Google, o Stadia será um hardware de ponta com GPUs da AMD capazes de 10,7 teraflops, mais que o dobro dos 4,2 teraflops do PS4 Pro e os 6 teraflops do Xbox One X. Cada instância do Stadia também será equipada com um processador x86 de 2.7GHz e 16 GB de RAM.

Embora seja um serviço de streaming, o Stadia seguirá um modelo similar ao dos consoles tradicionais no desenvolvimento da plataforma. O Google está até criando seu próprio estúdio de desenvolvimento de jogos para ter títulos exclusivos do Stadia. Ele será liderado por Jade Raymond, a ex-produtora da série Assassin’s Creed que recentemente esteve na EA. Haverá também kits de desenvolvimento para a plataforma, com várias tecnologias comuns para a criação de jogos AAA, como o Unreal Engine e Unity. Mais de 100 estúdios já possuem kits de desenvolvimento para a Stadia, e mais de 1.000 criadores e engenheiros já estão trabalhando em títulos que funcionarão no serviço. O Google também anunciou que o Stadia será aberto para a integração do multiplayer com outras plataformas.

O Stadia será lançado em data ainda indefinida de 2019 nos Estados Unidos, Canadá e Europa.

Sobre o Autor

Paulo Carmino