PET

Golfinhos em cativeiro, eles realmente sofrem?

Escrito por Escobar Dog

A criação de golfinhos em tanques artificiais para fins de entretenimento humano gera uma grande controvérsia. Estes cetáceos também participam na reabilitação e na estimulação de crianças e adultos com deficiência. Mas a questão central persiste: os golfinhos em cativeiro sofrem por serem privados de sua liberdade?

Os dolfinários ao redor do mundo

Atualmente, estima-se que mais de 2000 cetáceos vivam em cativeiro; em aquários distribuídos em 60 países. Embora a maioria desses cetáceos sejam golfinhos e orcas (família Delphinidae); também encontramos botos e belugas em cativeiro.

O primeiro dolfinário foi inaugurado na Flórida (Estados Unidos), durante a década de 30. A partir daí; shows com cetáceos se tornaram sucesso mundial e o número de aquários foi multiplicado.

A Espanha é o sétimo país em número de dolfinários, ficando atrás do Japão, China, Estados Unidos, México, Rússia e Ucrânia. No território espanhol existem 12 dolfinários, o que significa a maior concentração de golfinhos em cativeiro na Europa.

Atualmente; apesar dos dados científicos mostrarem o sofrimento dos golfinhos em cativeiro, os golfinhos ainda são lucrativos. De fato, a criação comercial de golfinhos é considerada uma “indústria emergente” na Rússia, Japão, China e México.

A imagem fantasiosa dos golfinhos em cativeiro

A indústria cinematográfica criou uma imagem de fantasia sobre os golfinhos; principalmente no imaginário infantil. Que criança não ficou emocionada e sentiu enorme simpatia pelo carismático Golfinho Flipper? Desde cedo aprendemos a associar os movimentos do golfinho a expressões de felicidade.

No entanto, muitos golfinhos em cativeiro apresentam inúmeros sintomas de estresse, ansiedade e depressão. O fato de eles não demonstrarem esse humor em suas exposições não significa que eles não sintam emoções negativas.

Na verdade, o golfinho é um animal extremamente sensível e inteligente. Ele se comunica principalmente por seus gestos e sons. Raramente os cetáceos usam expressões para mostrarem seus pensamentos; sentimentos ou emoções. Portanto, devemos parar de acreditar que um golfinho sorri constantemente.

Golfinhos em cativeiro: a violência da captura

Poucas pessoas se perguntam como os artistas golfinhos, protagonistas de saltos e acrobacias, chegam aos aquários. Quase todos os cetáceos em cativeiro foram capturados em seu habitat natural e violentamente privados de sua liberdade. Casos de golfinhos que nasceram de pais de cativeiros são muito raros.

A captura é um processo agressivo que expõe os animais a um nível muito alto de estresse; colocando suas vidas em risco. Basicamente, os cetáceos são perseguidos e assediados por vários barcos; com o objetivo de direcionar e encurralá-los em um determinado local. Muitas vezes, bombas também são usadas para assustar os golfinhos e forçá-los a se mover.

Alguns países, como os Estados Unidos e o México, ‘se defendem’ alegando que a captura de cetáceos é proibida em sua legislação. No entanto, isso não significa que os animais de seus dolfinários não foram capturados, muito menos que a captura tenha sido erradicada.

show com Golfinhos

Como a taxa de mortalidade é relativamente alta nos dolfinários, a captura de cetáceos selvagens continua sendo uma realidade. Atualmente, numerosos animais são capturados nos mares de Cuba, Japão, Rússia, China, Indonésia e na extensa costa africana.

A vida artificial dos golfinhos em cativeiro e seus riscos

É óbvio que os cetáceos, assim como qualquer animal em cativeiro, vivem em ambientes completamente artificiais. Um golfinho que nada livremente no oceano deve se acostumar com pequenas lagoas quimicamente tratadas. Além de se tornarem mais sedentários, esses cetáceos tornam-se vulneráveis ​​a alergias e a inflamações; devido às alterações do pH do cloro e da água.

Além disso, os golfinhos em cativeiro estão expostos a uma excitação constante. Durante os ‘shows’ e no treinamento, esses animais devem suportar música em alto volume, gritos, buzinas e outros ruídos. Tudo isso gera um contexto absurdamente estressante.

Outro aspecto prejudicial dos dolfinários é a falta de sombra e profundidade das piscinas. Como a pele e as membranas mucosas dos cetáceos são sensíveis, a exposição excessiva à radiação solar é muito perigosa. Muito frequentemente; as queimaduras solares são observadas em golfinhos em cativeiro.

Finalmente, devemos mencionar a falta de enriquecimento ambiental nos dolfinários. Os cetáceos são curiosos e inteligentes; por isso devem ser mentalmente estimulados, para assim permanecerem saudáveis ​​e felizes.

Em seu habitat natural, esses animais explorariam naturalmente; mas os golfinhos em cativeiro estão sujeitos a uma realidade monótona, que favorece o desenvolvimento de numerosos distúrbios físicos e mentais.


Notícias sobre Pets

Sobre o Autor

Escobar Dog