Mobilidade

Estudo aponta mudanças necessárias para uso da bike nas comunidades cariocas

O manual oferece especificações de uma infraestrutura segura para ciclistas.

Andar de bicicleta nas ciclovias ou aos fins de semana nas ciclofaixas de lazer não tem muito segredo. O fato de tais espaços serem criados especialmente para os ciclistas estimula o respeito por parte dos demais agentes de trânsito. Agora como estimular seu uso em locais onde ainda não há estrutura adequada? Foi pensando nisso que foi lançado o “Manual de Projetos e Programas para Incentivar o Uso de Bicicletas em Comunidades”.

A publicação é resultado de um estudo da Embarq Brasil em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil – Rio de Janeiro e secretarias municipais de Habitação e de Meio Ambiente. Além disso, integra o programa Morar Carioca, que tem como meta reurbanizar todas as favelas da cidade até 2020.

“O manual traz especificações de uma infraestrutura segura para ciclistas que pode ser implantada dentro da comunidade, seja ela plana ou inclinada, tanto quanto em regiões de interface com a cidade formal. Além disso, também aborda formas de assegurar que essa infraestrutura seja absorvida pelos moradores, criando a sensação de pertencimento necessária para que a área urbana reestruturada seja efetivamente utilizada, trazendo melhorias na qualidade de vida”, explica Paula Santos da Rocha, coordenadora de Projetos de Transporte da Embarq.

Apesar de ter sido desenvolvida para o Rio, a publicação, afirma Paula, poderá ser aproveitada em outras comunidades brasileiras, uma vez que são usados exemplos de programas e infraestruturas universais. “A bicicleta é um meio de transporte acessível, saudável e divertido que pode proporcionar acesso à escola, trabalho, recreação e integração a outras formas de transporte. O objetivo do manual é aumentar o uso de bicicletas em comunidades, evitando que as pessoas migrem para outros modais como motocicletas e automóveis”.

Confira aqui o manual completo.

Redação CicloVivo