Tecnologia

Conheça as máscaras de proteção contra a COVID-19, e faça sua máscara caseira

Confira as máscaras contra o coronavírus: quem, quando, onde e como usá-las

Entre os esforços para conter a epidemia do novo coronavírus, prefeitos de cidades brasileiras têm publicados decretos em que obrigam ou recomendam todos os cidadãos a usarem máscaras em ambientes públicos. A medida segue orientação da OMS (Organização Mundial da Saúde) e do Ministério da Saúde, que passou a recomendar o uso do acessório, mesmo as versões caseiras, para quem não tem sintomas da COVID-19.

Ao contrário do que muitos pensam, a máscara serve mais para proteger as pessoas ao redor do que propriamente quem está de máscara. Como os sintomas demoram para aparecer, praticamente todo mundo é considerado um potencial portador do vírus.

Portanto, a lógica por trás da obrigatoriedade de usar uma máscara é: se todos aderirem a ela, diminuirá o risco geral de infecção. Abaixo listamos os principais tipos de máscaras existentes, e também ensinamos você a fazer a sua máscara caseira, para não ter desculpas para não se proteger da COVID-19.

Máscaras cirúrgicas descartáveis

máscara cirúrgica, que cobre a boca e o nariz, é usada principalmente por médicos e assistentes para não infectar pacientes na mesa de operação. Se o usuário da máscara tosse ou espirra, a maior parte das gotículas expelidas permanece na máscara.

Máscaras cirúrgicas descartáveis são fabricadas em tecido não-tecido (TNT)

No entanto, isso só funciona no longo prazo se a máscara for trocada regularmente e descartada de forma higiênica e segura. Na sala de cirurgia, a máscara deve ser trocada pelo menos a cada duas horas. A mesma máscara usada várias vezes pode perder rapidamente a sua função.

Máscaras N95 para proteção dos profissionais de saúde

Conhecida por ser muito eficaz, seu nome faz alusão ao fato de que pode bloquear pelo menos 95% das partículas microscópicas transportadas pelo ar. Ela consegue impedir a passagem de partículas na escala de 0,3 mícron de diâmetro. Para se ter uma ideia, um cabelo humano possui entre 70 e 100 mícrons.

Essas máscaras são feitas com poliéster e outras fibras sintéticas, incluindo camadas de fibras emaranhadas que atuam como um filtro para dificultar a passagem de partículas. O seu formato se adapta ao rosto, formando uma vedação que dificulta a entrada de micropartículas através de frestas. Ela é apontada como uma das mais eficazes, e deve ser usada apenas uma vez, sendo descartada logo em seguida.

Máscara N95
Máscaras N95 se adaptam melhor ao formato do rosto, evitando frestas por onde possam passar microrganismos

Alguns modelos ainda contam com válvulas de expiração, o que facilita a respiração durante o uso. Essa proteção é frequentemente usada em construções, onde há exposição frequente a poeiras finas. Vale lembrar que o modelo com válvula de expiração não deve ser utilizada em áreas que devem ser esterilizadas, como salas de cirurgia de hospitais.

Máscaras filtrantes oferecem melhor proteção

Além das máscaras cirúrgicas, há também as máscaras filtrantes – tanto na versão descartável, feita a partir de fibra de celulose com um elemento filtrante e uma válvula expiratória, quanto de material sintético, à qual é acoplado um filtro. 

Elas são usadas em hospitais quando profissionais da saúde entram em contato com pacientes com doenças altamente infecciosas, e são usadas juntamente com outros EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), como protetor ocular, luvas, aventais e macacões descartáveis. 

De acordo com as normas da União Europeia, estas máscaras são divididas em três classes de proteção – o chamado fator FFP (Filtering Face Pieces – Peças Faciais Filtrantes, em português).  

Máscaras com nível de proteção FFP-1 são melhores do que as máscaras cirúrgicas, mas não oferecem a proteção desejada contra vírus. Elas são úteis, por exemplo, para as pessoas que trabalham com serralheria, carpintaria ou marmoraria, pois interceptam poeiras mais grossas.  

Máscara filtrante FFP-2
Máscaras filtrantes são usadas em hospitais para casos de doenças altamente contagiosas

Apenas máscaras da classe FFP-3 protegem o usuário de vírus, bactérias, fungos e, quando usadas corretamente, até de substâncias altamente tóxicas, como o amianto.

Em razão da atual escassez dessas máscaras, o Instituto Robert Koch, responsável pelo controle e prevenção de doenças na Alemanha, aconselha o uso de máscaras FFP-2 no caso de doenças infecciosas –  algo que, no entanto, é controverso entre médicos. 

Mascaras caseiras na prevenção da população

O Ministério da Saúde defende o uso das máscaras caseiras para o resto da população. Sim, elas são muito menos eficazes, porém a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) admitiu que podem ajudar em cenários específicos. Segundo infectologistas, a máscara caseira pode garantir até 70% de proteção contra o coronavírus.  

“Você pode fazer uma máscara ‘barreira’ usando um tecido grosso, com duas faces. Não precisa de especificações técnicas. Ela faz uma barreira tão boa quanto as outras máscaras. A diferença é que ela tem que ser lavada pelo próprio indivíduo para que se possa manter o autocuidado. Se ficar úmida, tem que ser trocada. Pode lavar com sabão ou água sanitária, deixando de molho por cerca de 30 minutos. E nunca compartilhar, porque o uso é individual”

explicou o médico Luiz Henrique Mandetta, ex-Ministro da Saúde

Em uma coletiva de imprensa do dia 3 de abril, o diretor executivo do Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, também tocou no assunto:

“Em certos contextos, utilizar esses itens para cobrir as vias aéreas serve como barreira mecânica e não é uma má ideia”.

Michael Ryan, Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O uso de máscaras se tornou uma parte importante no combate à COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus. Veja a seguir como você pode fazer sua própria máscara, e os cuidados para manutenção.

Máscara de pano
Máscara de pano pode garantir até 70% de proteção contra o coronavírus.  

Como fazer uma máscara caseira

O Ministério da Saúde divulgou um guia rápido sobre máscaras caseiras, que devem ter as seguintes características:

  • Deve ser utilizado um tecido grosso, com duas camadas para criar uma barreira física ao vírus
  • Pode ser utilizado algodão ou outro tecido lavável – você pode reutilizar uma camisa ou calça antiga, pano de cortina ou até mesmo um cueca
  • É necessário que tenham elástico ou tiras para amarrar acima da orelha e abaixo da nuca – o tecido não deve ser tocado ao vestir e retirar a máscara
  • Ela deve ter um tamanho suficiente para cobrir nariz e boca, e ficar rente ao rosto – um retângulo de 25 x 15cm consegue cobrir toda essa área
  • Tenha sempre mais de uma máscara, para poder trocar entre um uso e outro
  • Elas devem ser individuais, ou seja, não podem ser compartilhadas entre as pessoas

O guia mostra como recortar uma camiseta para reutilizar como máscara, em um modelo que já possui alças de amarração:

Mascaras caseiras
Ao recortar o tecido, lembre-se de medir o tamanho da proteção para o rosto: o ideal é que forme um retângulo de 25 x 15 cm

Dessa forma, você se protege e reduz o risco de contaminação pelo novo coronavírus.

Como utilizar a máscara caseira

Para aumentar a eficácia no uso das máscaras, algumas medidas devem ser tomadas:

  • As mãos devem ser higienizadas antes de colocar a máscara, utilizando álcool ou água e sabão
  • Ao vestir e remover a máscara, toque apenas nos elásticos ou tiras de amarração, sem tocar no tecido
  • Ao prender a máscara, verifique se não há frestas entre a máscara e seu rosto
  • Mesmo com máscara, cubra a boca e nariz ao tossir e espirrar
  • Se a máscara estiver úmida ou suja, troque por outra que esteja seca e higienizada
  • Após retirar a máscara, higienize novamente as mãos com álcool ou água e sabão

Como higienizar a máscara caseira

As máscaras caseiras devem ser higienizadas após todo uso, pois de forma geral os vírus podem ter sobrevida entre 72 a 96 horas em tecidos. Veja os cuidados necessários:

  • Em um balde ou bacia, misture 10 ml de água sanitária em meio litro de água (500 ml)
  • Mergulhe a máscara nessa solução, e deixe de molho por 20 minutos
  • Após o molho, lave normalmente com água e sabão
  • Depois de seca, passe a máscara utilizando ferro quente

Pronto! A sua máscara está limpa e pronta para novamente ajudar a proteger contra o novo coronavírus. Mas lembre-se: a higienização serve apenas para máscaras de tecido; máscaras cirúrgicas, N95 e demais máscaras descartáveis devem ser utilizadas uma única vez!

Não esqueça que o uso de máscaras não garante proteção total contra o novo coronavírus. Além disso, é importante manter o distanciamento social para evitar o contato com prováveis portadores do vírus. Assim, com estratégias combinadas, reduziremos ao máximo o risco de contrair a COVID-19.

Fonte: Estadão, CNN Brasil, Ministério da Saúde