Tecnologia

Categorias Sonoras no Oscar 2020

Listamos os indicados nas categorias sonoras – Edição de Som, Mixagem de Som, Canção e Trilha Sonora – e damos nosso palpite sobre os possíveis ganhadores do prêmio

O cinema é um meio audiovisual, e tirando os grandes clássicos mudos, eu amo filmes que saibam utilizar o som como elemento narrativo. Seja o uso de efeitos sonoros em um filme de terror, que vai fazer você pular da cadeira, ou o uso da trilha sonora para criar tensão (“Tubarão” ainda permanece como o melhor exemplo), o áudio é um aspecto crucial para qualquer filme.

Continuando nossa cobertura do Oscar 2020, agrupamos aqui 4 categorias sonoras (e super importantes):
Edição de Som, Mixagem de Som, Canção e Trilha Sonora.

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

A primeira das categorias sonoras que vamos falar é a “Edição de Som“.

Categoria que existe desde 1963, premia o trabalho minucioso do editor de som, que terá que captar o som, usando as melhores ferramentas disponíveis e também usar sua criatividade para criar sons completamente do zero. Alguns sons famosos da história do cinema como o sabre de luz, ou o rugido de um T-Rex, foram criados do zero. 

Você com certeza já viu um operador de boom – aquele microfone com uma haste comprida – em algum set de filmagem. É um trabalho exaustivo, pois exige um bom preparo físico dependendo da produção. Para a produção do filme “1917”, por exemplo, foi contratado um ex-ginasta para acompanhar as longas tomadas com os figurantes nas trincheiras.

Operadores de Boom no set de 1917

Os indicados desse ano são:

QUEM MERECE:
“1917”
Filmes de guerra sempre tem boas chances, mas o aspecto técnico deste filme é imbatível.

QUEM VAI GANHAR:
“1917”
O filme ganhou um importante prêmio precursor do sindicato dos editores de som (Motion Picture Sound Editors), então suas chances são praticamente certeiras.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

Próxima da nossa lista de categorias sonoras: Mixagem de Som!
Prêmio que existe desde 1930, o trabalho do profissional de mixagem de som é feito na pós-produção e combina os três principais elementos do áudio: efeitos sonoros, diálogo e música. Mixar todos estes elementos, sincronizar os canais de diálogo e criar emoção através da modulação sonora, faz essa categoria ser tão fascinante. 

A básica mesa de mixagem.

Filmes de ação, de guerra e musicais tem sempre muito mais chances de vencer. Dos últimos 5 vencedores, temos musical, ação e 3 filmes de guerra: “Bohemian Rhapsody”, “Dunkirk”, “A Chegada”, “Mad Max: Estrada da Fúria” e “Sniper Americano

Os indicados desse ano são:

QUEM MERECE:
“1917”
Pelo trabalho intenso de pós-produção deste filme, principalmente com as longas tomadas e a quantidade absurda de efeitos sonoros a serem inseridos em cada cena.

QUEM VAI GANHAR:
“1917” ou “Ford Vs Ferrari”
“1917” não foi indicado ao prêmio do Cinema Audio Society (CAS), pois não estreiou a tempo para ser considerado para este sindicato. Quem ganhou o CAS foi “Ford Vs Ferrari”, que também é um trabalho primoroso.

MELHOR CANÇÃO

Under the Sea”, “My Heart Will Go On”, “Let it Go” – você sabe dizer de quais filmes são essas canções? Bem, se não, coloca no Spotify, que você vai ser transportado para “Pequena Sereia”, “Titanic” e “Frozen: Uma Aventura Congelante”. 

As categorias sonoras não seriam completas sem a categoria de Melhor Canção, que é entregue desde 1934 e premia duas partes da música: a composição instrumental e a letra. A categoria premiou recentemente artistas como Lady Gaga (“Nasce uma Estrela”), Sam Smith (“007: Spectre”) e Adele (“007: Operação Skyfall”).

Alan Menken.

O sorriso de quem tem
8 Oscars em casa.

Um dos grandes vencedores dessa categoria é o compositor Alan Menken, que venceu 4 vezes (e fez “dobradinha” em todas as ocasiões, ganhando como melhor trilha sonora) levando para casa um total de 8 estatuetas. Ele ganhou em 1990 por “A Pequena Sereia” (com a canção “Under the Sea”), em 1992 por “A Bela e a Fera” (pela canção “Beauty and the Beast“), em 1993 por “Aladdin” (pela canção “A Whole New World”) e por fim em 1996 por “Pocahontas” (e a canção “Colors of the Wind”).

Os indicados deste ano são:

I’m Standing With You” de “Superação: O Milagre da Fé

Letra e música de Diane Warren, que aqui recebe sua 11ª indicação ao Oscar.

A interpretação fica por conta de Chrissy Metz, que é uma das personagens principais da série “This is Us”.
Confesso não ter assistido a este filme, pois eu nunca fui fã de filmes com temática religiosa. A música é boa, mas não tem chances.

Into the Unkown” de “Frozen 2“.

Letra e música de Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez.

O casal Lopez já venceu duas vezes na categoria de melhor canção, por “Let it Go” do primeiro “Frozen”, que foi uma das músicas mais marcantes (e para alguns, mais irritantes) a sair dos cinemas nos últimos anos, e por “Remember Me” de outra animação da Disney “Coco”.
Como “Frozen 2” não conseguiu sequer uma indicação a “Melhor Filme de Animação” acho bem improvável que vença.

A música é dramática, e, assim como “Let it Go” conta com os vocais maravilhosos de Idina Menzel, estrela da Broadway.

Stand Up” de “Harriet

Letra e música de Cynthia Erivo e Joshuah Brian Campbell.

“Harriet” passou despercebido por muita gente, mas é a extraordinária história de Harriet Tubman, que escapou a escravidão e garantiu liberdade a centenas de outros escravos.

Cynthia Erivo, não somente está indicada a melhor canção, como também melhor atriz. Ela já é uma atriz renomada da Broadway, ganhando Tony Award pelo seu papel como Celie no musical “The Color Purple”.

A música é linda e tem uma mensagem poderosíssima e uma interpretação igualmente poderosa de Cynthia Erivo.

(I’m Gonna) Love Me Again” do filme “Rocketman

Letra de Bernie Taupin e música de Elton John.

Elton John recebe aqui sua 4ª indicação ao Oscar. No Oscar de 1995, ele recebeu 3 indicações pelas músicas do filme “O Rei Leão”, e saiu vitorioso com “Can You Feel the Love Tonight”. Aqui, Elton John divide a indicação com seu colaborador e letrista, com quem trabalha desde 1967, Bernie Taupin.

A música é divertida e tem uma mensagem positiva, mas honestamente não tem nada demais.

“I Can’t Let You Throw Yourself Away” do filme “Toy Story 4

Letra e música de Randy Newman.

Randy Newman é um colaborador frequente da Disney e essa parceria já lhe rendeu duas estatuetas: em 2010 pela canção “We Belong Together” de “Toy Story 3” e em 2002 por “If I Didn’t Have You” de “Monstros S.A”.

Newman já recebeu 22 indicações ao Oscar, tanto por Melhor Canção quanto para Melhor Trilha Sonora. Este ano ele também está indicado pela trilha sonora do filme “História de um Casamento”.

A música é boa, mas parece uma versão requentada de todas as outras músicas do Toy Story.

QUEM MERECE:
Stand Up” – Harriet
A mensagem da música é imbatível.

QUEM VAI GANHAR:
“(I’m Gonna) Love me Again” – Rocketman
Elton John está fazendo um excelente trabalho de lobby, junto com o ator que o interpreta no filme, Taron Egerton.

MELHOR TRILHA SONORA

E por fim, vamos falar sobre um dos aspectos que eu sou particularmente viciado, que é a trilha sonora.

Uma informação importante: nesta categoria, que existe desde 1935, premia-se a composição instrumental. Em inglês, a categoria se chama “Best Original Score”, que em tradução livre seria “partitura original”. Por isso que aqui não se premiam trilhas que são consideradas “coletâneas”.

Muitas vezes uma trilha sonora transforma um filme, e alguns dos temas principais de alguns filmes se tornaram clássicos. “Psicose”, “Star Wars”, “Indiana Jones”, “Titanic”, “Harry Potter”, todos são filmes que contém músicas que todo frequentador de cinema consegue identificar.

Compositores como John Williams e Hans Zimmer, por exemplo, lotam teatros e arenas com shows de suas melhores composições.

Os indicados desse ano são:

“1917” por Thomas Newman.

Thomas Newman recebe aqui sua 14ª indicação ao Oscar. Ele se junta ao compositor Alex North em maior número de indicações sem nenhuma vitória. A sua trilha ajuda na construção da tensão durante o filme.
Para mim suas trilhas são excelentes, mas infelizmente ele sempre acaba perdendo para alguém um pouco mais merecedor. E acredito que este cenário se repita este ano.

“Coringa” por Hildur Gudnadóttir

Hildur Gudnadóttir é uma violoncelista Islandesa, que participou como solista em diversos filmes como “Sicario” e “O Regresso”.

Seu trabalho como compositora tem sido muito reconhecido: ela se tornou a primeira compositora na história a ganhar o Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora pelo seu trabalho em “Coringa“, e ganhou um Emmy e um Grammy pela trilha sonora da série de TV “Chernobyl“.

Sua trilha para “Coringa” é sombria e em muitos momentos reflete o personagem construído brilhantemente por Joaquin Phoenix. Suas chances de ganhar são bem altas.

“Adoráveis Mulheres” por Alexandre Desplat.

O compositor francês Alexandre Desplat está no topo da minha lista do Spotify nos últimos 5 anos. Uso suas trilhas maravilhosas para focar no trabalho, ou para deixar tocando em um dia de leitura.
Algumas de suas trilhas são “O Jogo da Imitação”, “A Rainha” e “O Curioso Caso de Benjamin Button” e ele se tornou um dos compositores mais requisitados do momento, e estabeleceu uma parceria sólida com o diretor Wes Anderson.

Desplat não é estranho ao Oscar, já ganhou dois Oscars: em 2015 por suas brilhante trilha de “O Grande Hotel Budapeste” e 2018 por “A Forma da Água”.

A trilha de “Adoráveis Mulheres” é lindíssima, porém ele venceu muito recentemente, e tem outros compositores mais merecedores dessa vez.

Curiosidade: ele compete contra Thomas Newman, que foi o compositor da versão de “Adoráveis Mulheres” de 1993, e que também fora indicado ao Oscar.

“História de um Casamento” por Randy Newman

Como falei acima, Randy Neman é um veterano das indicações, recebendo sua 1ª indicação como compositor em 1982 por “Ragtime“.
A bela trilha de “História de um Casamento” marca sua 9ª indicação na categoria de Melhor Trilha Sonora (do total de 22 indicações), e ele concorre contra seu próprio primo, Thomas Newman.
Infelizmente, nenhum dos primos deve sair com a estatueta.

“Star Wars: A Ascenção Skywalker” por John Williams

Se chamei Randy Newman de veterano, John Williams é o verdadeiro MESTRE.
Mestre Williams recebeu nada menos do que 52 indicações no decorrer de 5 décadas. Sua primeira indicação foi em 1968 e suas indicações lhe renderam 5 estatuetas: “Um Violinista no Telhado” (1971), “Tubarão” (1975), “Star Wars: Uma Nova Esperança” (1977), “E.T. – O Extraterrestre” (1982) e “A Lista de Schindler” (1993).
Seu trabalho na franquia Star Wars é uma das trilhas mais marcantes da história do cinema e esta indicação é uma belíssima homenagem, porém não sei se vão premiá-lo por isto.

QUEM MERECE:
1917
Thomas Newman criou uma trilha tensa e que complementa o filme perfeitamente.

QUEM VAI GANHAR:
Coringa
A compistora Finlandesa Hildur Gudnadóttir parece ter as chances ao seu favor e não é de longa uma escolha equivocada.

Para ler a 1ª parte das nossa cobertura do Oscar, clique aqui.