Decoração & Design

Brise Vegetal é nova opção para fachadas de edifícios brasileiros

Sistema traz novas perspectivas ao paisagismo natural e proporciona o arrefecimento do calor urbano.

É difícil ficar indiferente à beleza das fachadas verdes. Além de conservar o local e valorizar o imóvel, o uso de plantas funciona como isolante térmico para o ambiente. A brise vegetal pode ser aplicada em edifícios sem limite de altura e residências.

Brise, também conhecido como Brise-soleil, é um dispositivo arquitetônico utilizado para impedir a incidência direta de radiação solar nos interiores de um edifício. A palavra deriva de uma expressão francesa cuja tradução literal seria quebra-sol.

Uma grande área de fachada pode contribuir de forma significativa para aquecimento ou resfriamento passivo do prédio. O sombreamento dessa área por vegetação vai refrescar no verão e também aquecer no inverno se forem plantas caducifolias. Em clima tropical, realidade na maior parte do país, o benefício é ainda maior por proteger contra o acúmulo de calor.

Segundo o engenheiro agrônomo e diretor da Ecotelhado, João Manuel Feijó, as superfícies vegetadas consomem até 80% da irradiação solar para evaporar água. As brises convertem 90% do calor acumulado nas paredes, que seria bloqueado com o uso de ar condicionado. “O que confere gastos excessivos de energia”, diz.

O Brise Vegetal é bem mais eficiente do que a brise similar de alumínio, pois além de não acumular energia solar ainda consome no processo de fotossíntese. Outra vantagem é a constante renovação, não necessitando de pinturas.

O sistema modular é composto por containers dispostos na parte externa do prédio, no qual as plantas – geralmente trepadeiras – são conduzidas por cabos de aço inoxidáveis presos por fixadores do mesmo material. O método contempla a fertilização e irrigação automatizadas, o que permite pouca manutenção.  “Dá novas perspectivas ao paisagismo natural e proporciona o arrefecimento do calor urbano”, acrescenta.

Imagens e informações da EcoTelhado.