Geek

Baldur’s Gate 3: veja a jogabilidade e todos os detalhes da volta do lendário RPG

Escrito por Paulo Carmino

O Larian Studios apresentou pela primeira vez a jogabilidade de Baldur’s Gate 3 nesta quinta-feira durante a PAX East. A longa demonstração, que pode ser vista abaixo, foi encerrada abruptamente por conta de um bug, o que não a tornou menos impressionante.

O estúdio belga fundado em 1997 passou as últimas duas décadas refinando sua série de RPG Divinity Original Sin, até que no ano passado foi anunciado que eles alçariam um vôo maior, pegando a enorme responsabilidade de continuar o legado de uma das séries mais respeitadas da história do PC. Para isso, o Larian expandiu sua equipe para mais de 250 pessoas, e ainda contratou outras 50 para ajudar na produção externamente.

Baldur’s Gate 3 ainda não tem data de lançamento definida, mas os planos são de lançá-lo ainda em 2020 em versão beta, por acesso antecipado, no Google Stadia e Steam. Não há planos para versões em outras plataformas por enquanto e o estúdio afirma que acha bem difícil rodar o jogo nos atuais consoles sem sacrifícios na parte visual.

Diferente de Divinity, Baldur’s Gate 3 rompe inteiramente com a tradição dos diálogos estáticos para seguir a interface de diálogo no estilo Infinity Engine, criado pela BioWare no final dos anos 90. Mas como estamos em 2020, agora todos os diálogos são dublados e os personagens têm animações ricas, feitas a partir de captura de movimento para aumentar a encenação o máximo possível. Além disso, cenas de corte espetaculares irão enriquecer a história.

Uma dessas cenas de história abre o jogo e define o enredo. Seqüestrado pelos Illithids e colocado em uma incubadora pouco antes do início do jogo, a personagem do jogador é condenada a servir como hospedeira para as larvas que permitem ao vilão, um Mind Flyer, controlar a mente alheia. A sequência prossegue com a introdução dos misteriosos cavaleiros dragão Githyanki, que abatem a estrutura voadora onde o jogador está preso. Em solo e ainda vivo, o protagonista parte em sua jornada contra o tempo para encontrar seu algoz e se livrar de ter a mente totalmente controlada.

Outros sobreviventes, como você, estão procurando uma cura. O jogador unirá suas forças mais rapidamente a algumas delas, à medida que os anfitriões das larvas se reconhecerem à primeira vista, sem a necessidade de palavras. A Larian decidiu dar ao jogador poderes telepáticos imediatos e um pouco de controle psiônico (Mind Meld) que você estará livre para usar e abusar – obviamente por seu próprio risco. A identidade de seu aventureiro obviamente permanecerá a seu critério e todos estarão livres para passar horas na interface de criação de personagens definindo seu visual e aptidões.

Como em Divinity Original Sin II, o estúdio oferecerá vários personagens pré-definidos, com um passado, uma voz, aspirações, um arco de história e opções especiais de diálogo, como Sebille, Ifans e Lohse de DOS2. Aqueles que o jogador não escolher se tornarão naturalmente seus futuros companheiros de equipe.

Baldur’s Gate 3 não abrirá mão do sistema D&D e irá simular um “dungeon master” invisível por toda a aventura. Haverá até uma tela dedicada ao lançamento dos dados, e esses determinarão o sucesso ou fracasso de diversas ações, como determinar se seu personagem detecta um esconderijo secreto durante suas explorações, para definir a postura de um NPC em relação à sua abordagem ou o resultado de um salto perigoso. A Larian também escolheu ser transparente com os jogadores exibindo os resultados desses arremessos em um canto da tela e gravando-os em um diário de aventura.

Uma das condições exigidas pela Larian antes de se comprometer com o desenvolvimento de Baldur’s Gate 3 foi o aval para reformular a fórmula original de combate em tempo real, mas com pausa da ação ao gosto do jogador. O sistema escolhido foi o de combate em turnos, uma extensão natural de Divinity Original Sin 2, mas melhor adaptado às regras recentes de D&D. O turno agora se encerra após movimentar todos os heróis um após o outro, como em XCOM, por exemplo.

Ainda há um botão de pausa fora do combate, representado pelo relógio central da interface, e o jogador poderá usá-lo para planejar com calma seus próximos movimentos. Ou, como na demonstração feita pela Larian, para resolver certos quebra-cabeças mortais ou se infiltrar na base inimiga.

Outro elemento moderno herdado de Divinity é a interação com o cenário e as ações pré-definidas armadas pelo jogo, como quando o jogador lança um feitiço contra uma estrutura para derrubá-la, abrindo um buraco no chão, ou quando lança uma bola de fogo para secar poças no caminho.

Uma grande inovação de Baldur’s Gate 3 em relação aos anteriores é o multiplayer online para até quatro jogadores, que permite aos participantes assumirem o papel integral de cada personagem do grupo, combinando suas forças em combate ou dividindo seu grupo para seguir suas próprias missões e agendas.

Baldur’s Gate será lançado para PC via Steam e Stadia em acesso antecipado no final de 2020.

Sobre o Autor

Paulo Carmino