Decoração & Design

Arquiteto projeta escola sustentável para comunidade do Paquistão

O projeto de uma escola sustentável na pequena vila de Jar Maulwi, no Paquistão, é uma extensão da já existente escola Tipu Sultan Merkez, que tem proporcionado educação para meninas carentes das áreas rurais do país há mais de dez anos.

O projeto de uma escola sustentável na pequena vila de Jar Maulwi, no Paquistão, é uma extensão da já existente escola Tipu Sultan Merkez, que tem proporcionado educação para meninas carentes das áreas rurais do país há mais de dez anos.

O projeto foi vencedor do Holcim Awards da Ásia-Pacífico para a construção sustentável de 2011. A competição internacional reconhece projetos inovadores e conceitos orientados para o futuro a nível regional e global.

A construção contou com métodos tradicionais com baixa tecnologia através da engenharia e do design. A escola foi desenhada pelo arquiteto Eike Roswag, do escritório alemão Ziegert Roswag.

O edifício de dois andares foi construído a partir de uma massa de origem local e bambu, um sistema parecido com o pau a pique utilizado no Brasil, assim a estrutura contará com sete novas salas de aula. Atenuando riscos de terremoto, o prédio é dividido em duas partes compactas, conectadas por uma galeria iluminada. Os 60 centímetros de espessura das paredes do piso térreo são feitos de um tipo de adobe, feito de uma mistura de argila, areia, palha, água e terra, e são apoiados por fundações de alvenaria, que protegem contra a entrada de umidade do solo e da chuva.

O piso superior é feito por um sistema construtivo feito de bambu e preenchido com barro. Uma intensa pesquisa sobre a construção com o adobe resultou em um aumento útil em resistência e durabilidade com intervalos de manutenção prolongados comparados a métodos antigos. A alta capacidade de absorção de umidade e a massa significativa das paredes de terra reduzem a temperatura interior por até 8°C durante o verão, quando a temperatura ultrapassa os 40°C.

Vidros orientados para o sul geram ganho solar durante o inverno. Os próprios moradores locais construiram a escola, desta forma, o projeto cria oportunidade para os locais estabelecerem sua própria empresa local e transferir essa tecnologia de construção para outros planos da construção civil.

O júri elogiou o trabalho porque contribui para todas as "questões-alvo" da competição de forma convincente. Por meio da engenharia e do design, uma tecnologia de construção tradicional tem sido atualizada com medidas efetivas e de baixa tecnologia.

O bambu tem grande potencial na construção por seu crescimento rápido e por ser amplamente disponível. A propagação deste novo método de construção entre a população local auxilia a criação de empresas e melhora a situação econômica na área rural.

A abordagem da nova construção mostra um preço acessível à comunidade e alta qualidade, além de ser uma alternativa durável comparada aos materiais de construção amplamente usados, que possuem maior custo e são menos ambientalmente amigáveis.

O concurso tem como objetivo incentivar arquitetos, urbanistas, engenheiros e proprietários de projetos a irem além das noções convencionais de construção sustentável em seu trabalho e para harmonizar as preocupações ecológicas, sociais e econômicas. Com informações do Holcim Foundation.

Redação CicloVivo 

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter