Geek

Apple Vision Pro to focus on ‘space computing’ and not AR or VR, company says


Apple Vision Pro

A Apple acaba de botar mais uma dúvida na mente de quem ainda tem dificuldade em assimilar o que é Realidade virtual ou Realidade aumentada. Segundo a maçã mordida, o Apple Vision Pro não se trata de nenhum dos dois. Para a empresa, o nome certo é “computação espacial”.

Segundo Tim Cook, CEO da Apple, a era da computação espacial chegou. O Apple Vision Pro, a mais nova oferta de tecnologia da Apple, estará disponível nos EUA em 2 de fevereiro. Para se preparar para seu lançamento, a Apple divulgou diretrizes para o desenvolvimento de aplicativos para a App Store do dispositivo.

De acordo com essas diretrizes, os desenvolvedores são alertados para que tratem o Apple Vision Pro como um aplicativo de computação espacial e não de RV ou RA.

“Consulte seu aplicativo como um aplicativo de computação espacial”, diz a página. “Não descreva sua experiência de aplicativo como realidade aumentada (RA), realidade virtual (RV), realidade estendida (RE) ou realidade mista (RM).”, diz um alerta da companhia nessas diretrizes.

Evidentemente, a computação espacial não é uma realidade e sim uma jogada de Marketing da Apple. O termo tem o potencial de fazer os olhos do consumidor brilharem da mesma forma que o termo “metaverso” pode provocar. Além disso, computação espacial não é um termo usado por concorrentes da Apple.

As empresas Meta (e Oculus antes dela), Sony, HTC e outros adotaram a “realidade virtual” como um descritor para suas tendências. E apesar de seus melhores esforços para legitimar o conceito como atraente, uma combinação de fatores – branding e marketing que normalmente foram ruins – resultou em lenta adoção e vendas.

Meta, e Mark Zuckerberg em particular, transformaram a promessa de realidade virtual, o chamado “Metaverso” – em meme e cachota no X (Twitter), principalmente quando começou a abordar reuniões virtuais e outras aplicações que pouco chamaram a atenção.

Apple Vision Pro precisa de mercado

Essas gafes cometidas por outras empresas têm dificultado a venda aos consumidores em qualquer tipo de realidade simulada, seja ela virtual, aumentada ou estendida. E para convencer os compradores de que o Vision Pro é tão essencial quanto, a Apple precisa que seu dispositivo seja percebido como diferente e melhor do que seus concorrentes.

Ao declarar sua visão sobre a RV como uma nova “era” completamente, a Apple limpa a lista ao chamar a tecnologia de “computação espacial”. Ela encurrala o mercado de buscas do Google pelo termo “computação espacial” e dá um ar de legitimidade a todo o projeto.

O público em geral pode não saber o que é computação espacial, mas o termo soa complicado e futurista o suficiente para reviver uma indústria que caminha para a irrelevância.