Geek

Anthem vai mal nas primeiras análises

Escrito por Paulo Carmino

A BioWare deve passar pela geração do PlayStation 4 e Xbox One com baixíssima produção e sem um jogo de sucesso, pelo que indicam as primeiras análises de Anthem publicadas em sites internacionais.

Anthem será lançado oficialmente nesta sexta-feira, mas o jogo pode ser jogado desde a semana passada pelos assinantes dos programas EA/Origin Access no PC e Xbox One. Análises do jogo estão sendo publicadas aos poucos, mas já parece haver um consenso que o shooter da BioWare é uma decepção.

No agregador Metacritic, Anthem está com a média 67/100, muito baixa para uma super-produção deste calibre e que foi praticamente o único foco de atenção da BioWare nesta geração.

As avaliações por enquanto são sempre elogiosas em relação ao visual do jogo, mas ninguém parece satisfeito com a jogabilidade e a mistura da narrativa rica, que é a especialidade da BioWare, com um jogo de tiro. Problemas técnicos similares aos que atrapalharam o lançamento de Mass Effect Andromeda são citados ao lado de outros que parecem estruturais e complexos demais para serem resolvidos com atualizações, como a mecânica de tiro e vôo, a repetição de telas de carregamento que quebram o ritmo a todo instante e a dificuldade de acompanhar a história.

“A campanha do Anthem é uma colisão de ideias concorrentes. Onde é bem-sucedido, em seu combate e personagens, é sabotado por telas de carregamento, menus desajeitados e pelo ritmo glacial de Fort Tarsis. É frustrante ver os vários designs do jogo misturados uns contra os outros, como um quebra-cabeça encharcado onde as peças não cabem mais”, diz o site Polygon em sua pré-avaliação.

“Vale a pena notar que o período de acesso antecipado teve vários problemas técnicos. Queda de áudio, problemas no servidor, longos tempos de carregamento, missões não registradas como completas – não tive uma única sessão sem algum tipo de problema. Um patch de primeiro dia teve como objetivo resolver isso, mas, no geral, a estrutura e o ritmo ruins são um problema mais frustrante”, explicou o avaliador do Gamespot, que deu a nota 6/10 ao jogo.

“Anthem tem boas idéias, mas sofre significativamente com a execução. É um jogo cooperativo que funciona melhor sem ninguém falar; ele enterra momentos genuinamente interessantes dos personagens para colocar seus pedaços de histórias mais incompreensíveis na frente; seu combate é emocionante até chegar às lutas contra chefes e descobrir que suas asas foram cortadas. Mesmo o simples e estimulante ato de voar é freqüentemente interrompido pelas limitações de seu Javelin, e você nunca se livra dessa sensação de decepção – de saber, através das partes boas de Anthem, que você inevitavelmente voltará a cair”, conclui o Gamespot.

O Eurogamer lembra que Anthem começou a ser desenvolvido pouco tempo depois que a Bungie lançou Destiny e criou a impressão de que “dominaria o mundo” com aquele estilo de jogo. Mas com as mudanças no mercado e a repentina explosão de popularidade do gênero battle royale, a BioWare ficou com um abacaxi nas mãos. “Agora, bem mais de quatro anos depois, a turbulência que parece inevitável como parte de um jogo como serviço garantiu que Destiny 2 fosse dissociado da Activision e agora seja um jogo indie, enquanto a BioWare está carregada com um estilo de jogo que parece profundamente fora de moda, especialmente à luz do recente sucesso do Respawn com a battle royale Apex Legends”. Segundo o autor da pré-avaliação, Anthem é “fascinante e profundamente defeituoso”.

Veja algumas notas já publicadas para Anthem:

Gamespot – 6
CGMagazine – 7
The Digital Fix – 7
Destructoid – 7
Gamersky – 7/10
Flickering Myth – 5.5
JeuxActu – 14/20
Jeuxvideo – 13/20

Sobre o Autor

Paulo Carmino