Negócios

Qual é o meu lugar, neste lugar? por Rodrigo Santo

Escrito por Vinnícius Lopes

[ad_1]

Share Button

Saímos da era do Ter, iniciamos a era do Ser e tudo bem, tá legalzão! Mas, se há uma observação que faço nos últimos 3 anos com minha jornada no Brasil é, a PROPÓSITOFOBIA! (Risos, é inventei agorinha!). Começou nos jovens (como eu ), hoje assola todos em qualquer faixa etária, através do desconforto com o mundo em que vivemos, afinal, essa história de só ter, dominar e bla…blá…blá. #preguiça

Até aqui, lindo ✓

Daí, um movimento lindo em busca de vida e sentido, levou e leva – já é até meio que “overpauta”, mas atualzasso – milhões despertarem para uma necessidade do seu Eu Interior.

Tá, beatifull ✓✓

Auto conhecimento, novos formatos de compreender e se comunicar com “tudo” no mundo emergem. Tudo mesmo, as coisas ganham vida, deixam de ser só coisas.

Ah, tô emocionando aqui✓✓✓

BUTTTTT…Somos excelentes em pensar crises e problemas – créditos devidamente cedidos ao nosso modernérrimo avançado 3.3 complicômetro mental – que nessa história linda de voltarmos ao nosso lugarzinho de dentro, criou uma nova sirene de emergência: QUAL É SEU PROPÓSITO?

Esfregando em nossas caras a ostentação daqueles novos iluminados que já sabem exatamente o que vieram fazer aqui! Pqp…De novo? Uma fila de apartados dá potencialidade de SER. E seguimos nós, reles mortais, a nossa peregrinação em nosso deserto.

Eita, a vontade é mandar o mais sonoro#TEUC&$&$&@ pra esse tal propósito!

(mas aprendi, já me brigaram por chamar uns palavrões aqui…Tá!)

Então, uso o adequado (e morno), A VÁ, “Sinhô Propósito”! Má Váiii mesmo!

“Deixa noiz livreeee” ✓✓✓✓✓

sempre quis dar esse grito do filme Amistad ✌️.
santo

 

Ei, brotherzinhos lindos que amo…

E se essa história toda linda de “encontrar”, “saber”, “ter certeza”, sobre o que estamos fazendo aqui não for a cena principal? Claro, que questões poderosas e relevantes, até aqui! E se não tivermos que atuar mais? E se, só nos restar TUDO no TODO? E se espiritualidade for viver consciente nossa fisicalidade? Que lindo seria, né?

Realmente não sei, sou burro demais pra isso, nem sei se existe um saber pra tudo isto, ao menos um saber mental. Sinto, que não é possível sintonizar a “compreensão” de respostas tão lindas pelo pensamento e nem emoções. Porque os paranauês giram numa frequência que está noutro rolê. Mas nosso sentir, esse é o canal, aquele lá de dentro, que lê isso e nos faz curtir a experiência…A mesma coisa que acontece com músicas em inglês, e a gente não fala inglês, sabe?

A gente fica ali, envolvidão, acessa lembranças lindas, conta histórias, chora, ama e de repente, descobre que ela só tava falando na letra que adora o dogão nas noites de outono do Brooklin. Saca? E beleza, o importante mesmo é que de alguma forma a música nos faz sentir e acessar algo especial dentro, Mergulhar pra dentro de um Eu que faz valer a pena viver.

É, talvez, o papel seja só este… Ser o mundo!

Rodrigo Santo

“Apaixonado por GENTE e NEGÓCIOS”

Formado em Comércio Internacional, especialista em Projetos, Negócios e Engenharia de Projetos e Inovação, liderou equipes de operações, comerciais e administrativas em empresas de comércio exterior por 12 anos, Realizador da Tour Construtores de Sucessos Brasil, Fundador do Projeto Cuíca – Cultura, Inovacão e Cidadania Ativa, Master Practitioner em PNL, Master Coach, Consultor de Carreiras e Empresas, Mentor em Universidades Federais, Estaduais e Privadas, Mentor de Movimentos Globais de Empreendedorismo e Liderança, Palestrante Nacional e Internacional, Autor e escritor dos livros: Negociando com Sucesso e #SEUMINUTO, colunista em mídias.
Entusiasta de uma nova educação por competências – Agir – Reagir e Criar

 

Share Button

[ad_2]

Sobre o Autor

Vinnícius Lopes