Autos

Primeira viagem? confira 6 dicas para motoristas de primeira viagem…

Escrito por Fernando Luis

[ad_1]

Confira um breve manual com orientações básicas e importantes para manter seu veículo em bom estado

por Careca Auto-Peças

Chevrolet Onix Joy

Desejo realizado e o primeiro carro comprado. Tudo ótimo, exceto por um detalhe: a única coisa que você sabe sobre carros é que eles precisam de gasolina para funcionar… Se você é motorista de primeira viagem e não entende nada sobre veículos, relaxe… Veja aqui algumas recomendações simples, mas fundamentais, para o convívio harmonioso com seu novo amigo.

ÓLEO DO MOTOR

Verificar o nível é importante, mas isso não deve ser feito com o motor muito quente. Puxe a vareta antes de “acordar” o motor na garagem ou, se já estiver na rua, desligue-o e aguarde uns 10 minutos, sempre com automóvel sobre um piso reto. A partir disso, você pode olhar o nível, que deve estar entre o mínimo e o máximo na indicação da vareta. Se estiver baixo (e é normal baixar um pouco), complete com o mesmo lubrificante recomendado pela fábrica. A marca pode variar, mas as especificações de viscosidade e qualidade devem ser as mesmas (por exemplo SAE 5W/40 SN). E siga os prazos de troca — nos carros modernos, costuma ser a cada 10 mil quilômetros, mas trocar antes não faz mal.

SOM E RODAS

Antes de correr para uma loja de acessórios e personalizar seu carro, dois conselhos fundamentais. Rodas fora da especificação de fábrica poderão dar problemas na suspensão, na estabilidade, no conforto e na garantia — além de, muitas vezes, serem proibidas por lei. No caso do som, é preciso ver se a bateria suporta os novos equipamentos e não corre risco de descarregar.

REVISÃO

Todo carro, seja zero ou usado, necessita de revisões periódicas. Motor, freios, suspensão, parte elétrica: tudo precisa ser checado, por mais que o vendedor tenha usado aquela velha estratégia de “que era carro de garagem e que foi todo revisado”. Se você comprou um carro novo, fique atento às datas das revisões indicadas pelo fabricante no manual. E trate de conseguir a indicação de um mecânico de confiança.

ÁGUA

Você já deve ter ouvido falar que o carro precisa de água para não superaquecer. Além de água, o sistema de arrefecimento também utiliza aditivos a base de etilenoglicol para evitar “fervuras” e conservar as peças. Esse aditivo é recomendado pelo fabricante e deve ser trocado a cada 10 mil quilômetros, de acordo com o indicado pelo manual. O liquido do arrefecimento (água com aditivo) deve ser verificado com o motor frio. Se estiver pouco abaixo do nível, basta completar. Caso o nível abaixe continuamente, deve haver algum vazamento, uma junta queimada ou um cabeçote trincado (puxe a vareta do óleo: se o lubrificante estiver da cor de café com leite, é mau sinal). Leve a um mecânico para a apurar.

AR-CONDICIONADO

O ar-condicionado também precisa de cuidados. Você precisa ligar o aparelho mesmo no inverno, pelo menos uma vez por semana, para conservar o sistema. O gás do ar não “gasta” e nem tem validade. Então não caia no conto de alguns mecânicos enroladores. O gás só precisa ser trocado ou reposto quando houver problemas no sistema, como vazamentos.

GARANTIA

Caso tenha acabado de tirar o carro da concessionária, fique atento ao manual do proprietário. Parecer chato, mas é extremamente importante. Ali encontram-se informações sobre a garantia. Não fazer as revisões e usar algumas peças não recomendadas são situações que provocam a perda de garantia. Instalar som e alarme fora da concessionária, por exemplo, faz você perder a garantia do sistema elétrico. Rodas maiores podem tirar a garantia do conjunto de suspensão.

 

Fonte: AutoEsporte

[ad_2] Créditos : Autos24h

Sobre o Autor

Fernando Luis