fechar
Destaques

10 Motivos para você migrar para o Windows 10 Seu PC com sistema operacional W...leia mais Apesar de ser amplamente divulgado o quanto é perigoso deixarmos bebês e anim...leia mais Nos Estados Unidos, uma cachorra adotada teve a oportunidade de mostrar toda su...leia mais Muitas vezes, quando terminamos um relacionamento, nos sentimos meio perdidos, ...leia mais Tenho quase certeza de que a essa altura você já deva ter ouvido falar de im...leia mais Recentemente foi criado um Portal voltado a divulgação das feirinhas de artes...leia mais O portal de tecnologia TechRadar, conhecido também por fazer algumas lis...leia mais Galera, eu mal acreditei quando vi isso! A loja TERABYTESHOP conhecida no Brasil...leia mais

Notícias.: Jornal acusa Renault de fraudar testes de emissões por 25 anos…


Diário ‘Liberation’ afirma que o ex-CEO Carlos Ghosn e demais executivos sabiam da suposta trapaça

por Careca Auto-Peças

Modelos como o Captur europeu poluiriam até 300% mais do que os números dos testes

A Renault teria fraudado testes de emissões de poluentes na França por 25 anos, com o consentimento do agora ex-CEO da marca, Carlos Ghosn.

Segundo informações do jornal Liberation, a Renault utilizou um software similar ao empregado pela Volkswagen em seus motores a diesel para cumprir com os índices de CO2, no caso apelidado de dieselgate. A publicação afirma que modelos como a quarta geração do Clio e o Captur poluem até 300% mais do que os índices obtidos nos testes.

De acordo com o diário, a revelação foi feita em um relatório publicado em novembro de 2016 por uma agência de proteção aos direitos do consumidor. Ghosn e outros executivos da marca, inclusive, estariam cientes da fraude o tempo todo.

Quarta geração do Clio também teria o software fraudulento

Embora a agência sugira que “todo o corpo de executivos” seja responsabilizado pelo ato, Carlos Ghosn (que recentemente deixou o comando da Renault para se dedicar à recuperação da Mitsubishi, outra marca da aliança Renault-Nissan) é que deveria ser diretamente responsabilizado por “não ter exercido seu poder de decisão na aprovação das estratégias de controle dos testes envolvendo motores”.

Por sua vez, a montadora afirmou que “por enquanto não se pronunciará sobre a investigação em andamento, uma vez que o conteúdo é confidencial e a Renault ainda não teve acesso ao caso, impossibilitando a confirmação da veracidade e confiabilidade das informações publicadas no artigo”.

Até o momento, o programa de investigação de testes de poluentes já abriu processo contra a Renault e outras três grandes conglomerados: Volkswagen, FCA Fiat Chrysler e PSA-Peugeot Citroën.

 

Fonte: QuatroRodas


Créditos : Autos24h

Tags:, , , , , , , , , ,

Histórico Página
Open